Novela Literária - Recomeço - Capitulo 5


Recomeço - Capitulo 5 - Classificação +15

Então ela lavou seu rosto escovou os dentes, pegou seu cartão e desceu...

Nayra: Bom dia Madalayne!
Madalayne: Bom dia querida, já de pé?
Nayra: já são nove horas e estou com muita fome.
Madalayne: Como está se sentindo?
Nayra: acabada, mas sei que não posso me sentir assim não vai trazer ele de volta pra mim, sabe que antes dele partir fomos pousar para um pintor ele fez um quadro enorme, não cheguei a ver depois que terminou, mas meu motivo maior de estar aqui é porque esse quadro está incluso na minha herança só por isso.
Madalayne: Porque você não dá uma chance de sua mãe se aproximar?
Nayra: Ela teve a vida toda pra ficar comigo, se meu pai não tivesse morrido ela iria continuar inexistente em minha vida então porque eu iria querer ela próxima de mim?
Madalayne: Nunca é tarde querida.
Nayra: olha quer saber eu ainda não consigo entender porque ela está me tratando assim, sendo que foi ela que fez questão de fingir que eu não existia que eu fui um erro na vida dela.
Madalayne: A vida às vezes querida nos coloca em situações difíceis.
Nayra: Ela teve opção de escolher e ela escolheu essa vida que ela tem agora, então porque eu tenho que dar alguma chance a ela? Sendo que foi ela que desistiu de mim?
Madalayne: Você sabe a dor que sentiu, mas pense bem a vida está te dando uma oportunidade única não a desperdice.
Nayra: Obrigada por se preocupar Madalayne, mas nesse momento eu quero o máximo de distância possível da Stefanny.

Camila entrou de repente na cozinha com uma cara aborrecida e falou...

Camila: Bom dia!
Nayra: Bom dia Camila.
Madalayne: Bom dia querida.
Nayra: Você parece chateada.
Camila: e estou Nayra, ontem eu fui ao seu quarto e você estava dormindo.
Nayra: Estava muito cansada.
Camila: Eu sei o que você fez você tomou remédio pra dormir, sabia que pode fazer mal?
Nayra: Eu sei disso amanheci com uma dor de cabeça imensa.
Camila: Posso saber por que você está induzindo seu sono?
Nayra: Porque eu quero esquecer que meu pai morreu e ainda me deixou de castigo satisfeita????
Camila: pois fique sabendo que assim você vai se juntar a ele rapidinho.
Nayra: Seria muito bom que isso acontecesse!!!

Nayra se levantou da cadeira e Camila disse...

Camila: Não Nayra sente – se desculpas é que eu não quero te ver assim sofrendo.
Nayra: desde quando você se importa comigo?
Camila: desde quando me identifiquei com você e percebi que você é a irmã que eu sempre quis ter, pode parecer muito cedo em te falar isso, mas é verdade.
Nayra: Desculpe pela minha grosseria, mas é que algumas pessoas reagem ao sofrimento diferente e eu sou assim.
Camila: Tudo bem não quero ultrapassar os limites, mas também não quero que faça bobagens com sua vida, pois é a única que você tem.
Nayra: Sem meu pai eu não tenho vida, me desculpe Camila, mas é assim que eu estou me sentindo.

Nayra saiu da cozinha voltou ao quarto vestiu o maiô que Camila emprestou, era um maiô meio velho, mas servia para aquele momento  desistiu de sair, mas queria voltar ao parque mais tarde pra ver as aulas de dança. Ela passou pela sala as pressas direto para a piscina e Eduardo ficou só observando e pensou “puxa essa garota é maluca mesmo” e foi até a cozinha...

Eduardo: O que deu naquela garota??
Camila: Ela está sofrendo.
Eduardo: Mas nem você ficou desse jeito Camila.
Camila: A vida dessa garota é mais complicada.
Eduardo: Tudo bem que perder o pai é muito dolorido sabemos disso muito bem, mas ela tem uma mãe que a ama de verdade, tem dinheiro e que faz qualquer coisa por ela e ela em vez de se sentir bem com isso se desfaz de tudo desse jeito.
Camila: Você está do lado de fora Eduardo vê as coisas de outro ângulo não sabe como as coisas aconteceram então julgar é o jeito mais fácil.
Madalayne: Concordo com a Camila, essa menina ta sofrendo muito, está muito confusa, está perdida e se sentindo muito só, por mais que ela queira ela não consegue confiar em ninguém e a única pessoa com quem ela podia contar se foi e ainda deixou uma herança com uma clausula que para ela é um verdadeiro sacrifício.
Eduardo: Viver com a mãe seria sacrifício por quê?
Camila: Bom não estou autorizada a falar o que realmente aconteceu, mas do jeito que ela fala que a madrinha a abandonou e pelo jeito não queria que ela nascesse, em nenhum momento quis procura – la e de repente seu pai se foi e deixou uma clausula pra ela conviver um ano com a madrinha para poder ter direito a sua herança.
Eduardo: é impossível isso ser verdade, a senhorita Stefanny é uma grande mulher jamais abandonaria um filho, no caso uma filha.
Camila: É porque não tenho permissão pra falar detalhes é um problema que não é meu, mas basicamente foi isso que aconteceu, por outros motivos, mas foi isso.
Madalayne: A Nayra era muito ligada ao pai, muito mesmo, era a única pessoa que ela tinha na vida e de repente tudo teve que mudar...
Eduardo: Por isso ela ficou furiosa comigo no aeroporto, nossa quanto tempo o pai dela morreu mesmo? 6 meses?
Camila: um mês.
Madalayne: Viu Eduardo você cometendo mais injustiças.
Eduardo: Mas ela não deixa de ser mimada e chata.
Camila: Mas ela merece um pedido de desculpas.
Eduardo: Não mesmo, não vou dar esse gostinho pra ela e ela também me ofendeu então estamos quites, mas prometo evita – la o máximo possível pra que não aja atritos entre a gente, ta na cara que jamais vamos nos dar bem.
Camila: Eu sei muito bem onde essa história termina bom mais agora vou fazer companhia a ela na piscina, vem se quiser Eduardo, você sabe que a madrinha te deixa a vontade pra fazer o que quiser.
Eduardo: Não eu vou aproveitar que ela não vai sair agora e vou ensaiar...

Camila foi até a piscina fazer companhia a Nayra. Elas passaram quase o dia inteiro na piscina até Paulo chegar pra ensaiar com Camila...

Paulo: Boa tarde garotas!
Camila: Oi Paulo, Nayra esse é o meu parceiro de dança o Paulo.
Nayra: Oi Paulo, prazer em conhece – lo.
Paulo: Eu digo o mesmo, quer ver nosso ensaio?
Nayra: Eu iria adorar, mas agora vou da uma saída.
Paulo: Ok
Camila: Pra onde você vai?
Nayra: Vou respirar ar puro no parque.
Camila: Vê se não some viu.
Nayra: Pode deixar.

Camila foi para o salão com Paulo ensaiar e Nayra foi correndo em seu quarto para se trocar, decidiu ir ao parque e tentar começar a fazer aula de dança de salão, ela queria esquecer tudo de ruim que tinha acontecido na sua vida, estava tentando amortecer a dor da perda de seu pai o qual fazia muita falta na vida dela e também amortecer a idéia da convivência com sua mãe que tem a surpreendido de uma forma que ela não conseguia acreditar, ela pensava que como uma mulher que nunca ligou pra ela estava a tratando tão gentilmente, ela achava que seria mais difícil, que ela tornaria sua vida num inferno, e no entanto nem se mete na vida dela, e elas ainda não se encontraram na verdade ela tem evitado qualquer tipo de encontro com ela, mas ela não conseguia parar de pensar nessa história, mas nesse momento ela queria esquecer todos esses problemas, foi quando ela procurou por Eduardo e não o encontrou então aproveitou que ele não estava por perto e chamou um táxi, ela poderia te- lo chamado pelo microfone, mas estava cansada de ser tratada mal e trata – lo mal também, mas chegando no portão bem lá estava Eduardo conversando com um segurança e ela percebeu que até o táxi foi dispensado...
Nayra: O meu táxi nem chegou aqui né?
Rubens: Chegou senhorita Nayra, mas o dispensamos pensamos que foi engano já que a senhorita tem um motorista.
Nayra: Também não custava perguntar se alguém pediu um táxi, mas tudo bem.
Eduardo: Para onde devo leva – la?
Nayra: Para o parque do Ibirapuera, por favor.
Eduardo: Então vamos.

Eles saíram e Eduardo ficou pensando que Nayra parecia mais alegre e estava com cara de que estava aprontando ele não conseguia entender porque ela o incomodava tanto ele ficou meio mal em saber que ela estava sofrendo e que a principio a julgou mal, mas mesmo assim seu orgulho era maior, ele não entendia porque ela estava freqüentando regularmente seus pensamentos, sendo que ela era o tipo de garota que ele detestava, por achar ela muito mimada, ele sabia que podia estar julgando ela mal, mas devido os últimos acontecimentos e suas discussões não haveria de nenhuma forma  de aproximação por parte dos dois, pelo jeito eles seriam apenas estranhos um pro outro e não passaria de ser apenas o seu motorista e ela filha de sua patroa. Chegando lá ele disse...

Eduardo: A senhorita quer que eu espere?

Apesar de não querer muita aproximação com Eduardo por causa das discussões e pela imagem que ele fazia dela Nayra já estava ficando irritada com esse negócio de chamar ela de senhorita e queria acabar com isso de vez, mesmo que tivesse que jogar na cara dele que ela era filha da patroa e ele tinha que respeitar e disse...

Nayra: Quero...
Eduardo: pode deixar.
Nayra: E mais um favor que eu gostaria de te pedir.

Eduardo olhou pra Nayra com surpresa e ela percebeu e disse...

Eduardo: Sim.
Nayra: Quero que pare de me chamar de senhorita, prefiro que me chame pelo nome.
Eduardo: Infelizmente não posso a senhora Stefanny não iria gostar que eu faltasse com respeito.
Nayra: Para mim não é falta de respeito, seria se você continuasse me chamando de senhorita, eu não suporto isso, soa meio irônico e eu detesto ironia.
Eduardo: Ok se é uma ordem eu vou cumprir.

Nayra já estava ficando irritada com o comportamento de Eduardo tinha certeza de que ele estava fazendo aquilo de propósito. O clima entre eles estava meio complicado, mas chegando a ficar cômico. Nayra seguiu até a pracinha onde esteve outro dia enquanto Eduardo foi ensaiar na academia da faculdade que era perto dali. Chegando lá Leandro reconheceu Nayra na hora e foi falar com ela, que não gostou nada foi sua namorada...

Leandro: Olá Nayra tudo bem??

Nayra achou incrível Leandro ainda se lembrar do nome dela, ela mal sabia que Leandro percebeu um potencial especial nela e queria urgentemente aflora – lo...

Nayra: Oi Leandro, eu ainda vou indo.
Leandro: terminou parando aqui.
Nayra: Isso mesmo.
Leandro: E hoje está afim de tentar aprender uns passos??
Nayra: Não sei, sinto vergonha...
Leandro: olha,todos os dias vem pessoas diferentes, tem aquelas que vem fixamente só por distração, tem outras que vem e gostam então não precisa se sentir envergonhada por no momento não saber nenhum passo, antes de tudo a dança é uma forma de prazer e não de obrigação, tem que fazer bem pro seu interior, tem que mexer com suas emoções, tem que fazer você esquecer o mundo.
Nayra: Nossa faz muito tempo que não ouço alguém falar assim com tanta emoção sobre certo assunto.
Leandro: Dança é minha vida, sempre gostei de dançar é engraçado ouvir isso de um homem né?
Nayra: Não, porque meu pai era dançarino e dançava muito bem, era a coisa que ele mais gostava de fazer...
Leandro: Então a senhorita não é tão leiga assim na dança?
Nayra: Não muito, pois ele sempre me ensinou e eu sempre gostei também acho que é herança, claro que eu nunca fiz disso um objetivo, nunca pensei em transformar isso em uma profissão, mas quem sabe...
Leandro: Acho que você tem talento, meu sexto sentido diz isso.
Nayra: Obrigada...
Leandro: Aqui na praça eu dou aulas porque eu faço o que eu gosto, mas na academia da faculdade eu sou apenas aluno, então...
Nayra: Mas o que impede de você dar aulas na academia?
Leandro: Preciso terminar de fazer a faculdade e ter o reconhecimento pela federação de dança.
Nayra: Entendi.
Leandro: Então quer começar, eu vou te ajudar.
Nayra: Não sei, se não se importar eu prefiro assistir primeiro, ainda não me sinto com coragem pra começar tudo bem?
Leandro: Tudo bem fique a vontade e qualquer coisa você pode me chamar.
Nayra: pode deixar.

Leandro seguiu em frente e foi dar aulas as pessoas que já haviam chegado, ela se sentiu bem naquele lugar, ela gostava do verde dos capins, ela gostava de sentir aquele cheiro de terra molhada e som da leve brisa que tocava em seu rosto, ela se sentiu bem conversando com Leandro, percebeu que ali não havia nenhum tipo de interesse incomum da parte dele, sentiu que dali poderia nascer uma amizade sincera e era o que ela precisava sem ser nada forçado por ninguém, teria acontecido casualmente por fruto de seus esforços e ela se sentia bem com isso, ela ficou observando o jeito que Leandro ensinava os passos para as pessoas a delicadeza com que falava com elas e resolveu arriscar, mas não hoje. Depois de duas horas acabaram as aulas e Leandro foi falar com ela...
Leandro: E ai gostou?
Nayra: Muito, acho bem legal isso que você faz, nasceu para ser professor fora que você dança muito bem...
Leandro: Tudo fica mais fácil quando a gente faz o que a gente gosta.
Nayra: Concordo e vou dizer que resolvi começar a fazer aulas com você, mas só amanhã que hoje acabou né rsrsrs.
Leandro: Que bom que você está mais animada, naquele dia você estava muito triste.
Nayra: é que na verdade faz um mês que perdi meu pai e ele me faz muita falta, tem acontecido muitas mudanças em minha vida que eu não esperava e ta sendo difícil lhe dar com tudo isso ao mesmo tempo.
Leandro: é meio complicado isso, eu sinto muito pelo seu pai.
Nayra: Engraçado que você é o primeiro a me dizer isso, que sente muito... obrigada.
Leandro: Nossa então realmente a sua vida está complicada.
Nayra: Você não tem noção de como eu estou confusa e sem direção, quero esquecer tudo isso, mas ta difícil.
Leandro: Nem que você quisesse é tudo recente perder alguém que amamos realmente é muito dolorido, sabemos que pode acontecer a qualquer momento, mas nunca estamos preparados pra essa perda e por mais que saibamos que isso pode acontecer a dor invade nossos sentidos e nos sufoca de maneira desesperadora.
Nayra: Nossa até parece que você está dentro de mim e sentindo tudo o que me sufoca, eu sinto uma sensação tão boa quando estou perto de você e só te conheço a alguns dias, na verdade todos que eu conheço nesse momento é apenas em dias, ta difícil pra mim viver assim.
Leandro: Sinto que você precisa conversar.
Nayra: Eu também acho, mas é tão difícil confiar nas pessoas, e aqui as pessoas são tão diferentes, é estranho.
Leandro: Não se sinta assim, é que é tudo muito novo pra você, mudança de vida é assim mesmo, mas com o tempo você vai percebendo quem está perto de você, percebendo as atitudes que elas demonstram a você se pode confiar nelas ou não.
Nayra: É talvez você tenha razão, eu não posso cobrar muito de pessoas que nem conheço e que até o momento estiveram dispostas a me ajudar e eu tenho sido até grossa.
Leandro: Posso te convidar para um almoço? Daí poderemos conversar melhor e com mais calma sobre essas coisas que estão acontecendo com você, o que acha?
Nayra: Eu até aceito, mas não vai te atrapalhar?
Leandro: Claro que não, então tem um restaurante aqui perto que a comida é maravilhosa, pode ser as 13:00 horas daí depois a gente vem direto pra cá.
Nayra: Onde é o restaurante?
Leandro: Quer que eu te pegue na sua casa???
Nayra: Não precisa eu consigo encontrar.
Leandro: O nome do restaurante é Malbec.
Nayra: Nome diferente.
Leandro: A comida lá é divina, sempre levo minha namorada para jantar lá ela adora.
Nayra: Será que ela não vai ficar chateada?
Leandro: Não  a Débora é gente boa.
Nayra: Ok então, amanhã as 13:00 no Malbec.
Leandro: Você vai ficar bem?
Nayra: Sim.
Leandro: Então até amanhã.
Nayra: Até...



Bom pessoas por hoje é isso. Ótimo final de domingo a todos.

Nota: Não esqueçam de participar da Promoção Resenha Premiada do Livro Reiniciados clicando AQUI

Então galera meu aniversário está chegando será dia 04/10/2013, mas irei comemorar com todos aqui no blog, estou preparando algumas coisinhas legais. Espero que gostem. Para quem quiser me enviar alguma coisa principalmente cartinha ou marcadores que eu adoro receber, pode solicitar o meu endereço por email: diana.canaverde30@gmail.com, ficarei honrada em receber, caso queira me dar somente os parabéns no dia ficarei super feliz também rsrs. Xero no coração.

4 comentários

  1. Hey flor!

    Desculpa só comentar hoje, mas é que como é um texto maior e tal, uma história, tenho que ter tempo pra ler com atenção! Haha gostei muito do Leandro e espero que ele seja um bom amigo e ajude a Nayra a se sentir melhor. Só espero que isso não se transforme em romance e ela arrume confusão com a Débora!

    Um beijo
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Magina minha flor... fico tão feliz em saber que você está gostando rsrsrs.... bom não posso contar nada kkk Xero!

      Excluir
  2. Ai Dih, está ficando cada vez melhor^^ São tantos suspenses que fico doida ^^

    Bjs flor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrsrsrsrs é que está no comecinho amore... logo logo teremos algumas descobertas... Xero!!!

      Excluir

Bem vindo ao blog Minhas Escrituras...
Fique a vontade para comentar aqui a sua opinião pessoal, sempre com respeito é claro!!! ;)
Você pode deixar o link de seu blog, que faço a retribuição com o maior prazer, mas não retribuo em postagens de promoção, ou seja, não comento.
Mensagem pra pedir que siga o blog, são automaticamente deletadas. Comenta no blog e deixa o link,farei uma visita no seu ok.
Quero agradecer a vocês que passam por aqui e deixam suas marquinhas, isso é muito importante... sintam-se a vontade...
Xero!