Novela Literária - Recomeço - Capitulo 4


Recomeço - Capitulo 4 - Classificação +15

Nayra chorou tanto que acabou dormindo debaixo da árvore, acordou com o barulho dos pássaros, e quando percebeu onde tinha dormido levou um susto imenso, se levantou e foi correndo para seu quarto Eduardo que passava por ali, achou super estranho, mas como ela realmente era estranha simplesmente a ignorou, não estava afim de ficar discutindo com ela. Camila vendo que Nayra não iria sair para comprar roupas resolveu comprar algumas por conta própria e deixar no quarto de Nayra, tentou comprar algo que realmente parecia com ela o suficiente até quando ela decidisse realmente fazer as compras do estilo dela e do gosto dela. Nayra entrou em seu quarto e ficou por lá mesmo, passou alguns dias e Nayra apenas descia pra comer e voltava pro seu quarto, ignorava todo mundo, inclusive Camila, ela não queria saber de ninguém, daí um certo dia ela acordou de novo do seu lugar preferido e foi para seu quarto, ela  entrou  e foi tomar um banho hoje ela queria sair para algum lugar, queria ficar longe daquela casa, só não sabia para onde ir, aproveitou a internet e procurou um lugar onde pudesse ficar bem longe de todos, mas como se livrar do Eduardo já que ele seria seu motorista e poderia estragar seu plano de sumir da face da terra, mas descobriu uma forma de engana – lo iria dizer que iria para um lugar  e depois pegaria um táxi para outro lugar que era perto dali e claro iria mandar ele embora. Ela achou um parque ao ar livre, ela gostava desses lugares, lá tinha aulas de dança, ela não iria dançar, mas iria assistir, encontrou um shopping lá perto seria seu álibi perfeito, então ela se arrumou se certificou de que Camila não estaria por perto  e foi até a cozinha...

Nayra: Bom dia!!!

Eduardo estava sentado na mesa e a ignorou e Madalayne disse:

Madalayne: Vocês dois poderiam parar com isso de uma vez.
Eduardo: Eu sou apenas o motorista, faço o que a patroa deseja.
Nayra: Obrigada Madalayne por se preocupar, mas não quero discutir por besteira, eu não vou tomar café estou sem fome e preciso que você motorista me leve em um lugar.
Eduardo: Pois não senhorita vou preparar o carro.

Eduardo saiu e Madalayne percebeu novamente as olheiras de Nayra e disse...

Madalayne: O que anda acontecendo com você minha querida?
Nayra: Nada...
Madalayne: Como nada? Você vive presa no seu quarto.
Nayra: Eu não estava e nem estou muito afim de conversar, minha vida está uma miséria e a única coisa que eu posso fazer no momento pra não enlouquecer de vez, é sair e respirar ar puro, desculpe Madalayne, você é muito gentil, mas não quero ser grossa com você.
Madalayne: Tudo bem criança, mas se quiser conversar estarei aqui.
Nayra: Obrigada...

Nayra saiu e foi esperar por Eduardo no portão e ele apareceu e ela entrou no carro...

Eduardo: Para onde?
Nayra: É...

Ela pensou bem e não quis mentir pra onde iria, mas que sairia de lá para outro lugar qualquer, também não queria prejudicar Eduardo por mais que ele merecesse.

Eduardo: Então...
Nayra: Parque do Ibirapuera, por favor.
Eduardo: Ok! Você vai sozinha?
Nayra: Sim. Você pode me deixar lá e ir embora, vou demorar.
Eduardo: Eu fui contratado pra ficar a sua disposição posso ficar te esperando.
Nayra: Se prefere assim não posso fazer nada.
Eduardo: É o meu trabalho.

Eles seguiram todos os caminhos calados, de vez em quando ele olhava pelo espelhinho do carro e observou a sua tristeza infinita e começou a se sentir meio mal pelas coisas que disse a ela. Chegaram rápido, pois não era muito longe, então...
Eduardo: Fique o tempo que quiser, quando sair estarei aqui pra te levar de volta ok!!

Nayra apenas acenou com a cabeça, não conseguiu se livrar de Eduardo, mas dependendo do que pudesse sentir ou acontecer ela iria procurar outra saída. Ela fez uma bela caminhada embora ainda saíssem lágrimas de seus olhos, depois se sentou em um barco e remou pro meio do riacho e agora percebendo que estava sozinha pode chorar a vontade sem que ninguém estivesse por perto para atrapalhar seu momento melancólico. Eduardo não se convencendo muito de que estava tudo bem, resolveu ir atrás dela só que não a encontrou o parque era imenso e ela podia estar em qualquer lugar, então voltou pro carro a fim de ficar esperando por ela. Nayra depois de ter chorado bastante resolveu voltar a margem e foi para um lado do bosque onde estava tendo aulas de  dança ao ar livre e hoje eles estavam dançando salsa e ela se sentou e se pôs a olhar, ela ficava observando cada movimento dos casais, cada expressão que ele faziam, daí interrompendo sua distração veio um homem falar com ela...

Leandro: Oi...

Nayra secou rapidamente uma lágrima e respondeu...

Nayra: Oi...
Leandro: Está tudo bem com você?
Nayra: Sim.
Leandro: Que participar da aula??
Nayra: Não obrigada, estou apenas admirando, acho muito bonito ver pessoas dançando.
Leandro: Te faz lembrar de alguém especial?
Nayra: Me faz lembrar do meu pai, ele foi dançarino também, mas infelizmente largou a profissão cedo.
Leandro: Entendo, tem certeza de que não quer dançar? Não é tão difícil.
Nayra: Hoje não, estou sem ânimo e prefiro ficar só de expectadora.
Leandro: Ok, estamos aqui todos os dias nesse horário, sempre damos aulas de salsa se quiser se distrair e dançar pode vir aqui é de graça.
Nayra: Obrigada, vou pensar bem.
Leandro: Eu me chamo Leandro.
Nayra: Obrigada Leandro, eu sou Nayra.
Leandro: Prazer Nayra.

Nayra se levantou e quando olhou para o relógio já era quase cinco horas da tarde, quando ela começava a chorar Nayra perdia a noção do tempo, passou o dia sem comer nada também  e se lembrou de Eduardo esperando por ela, mas ela lhe deu uma alternativa de ir embora e ele preferiu esperar, aquele dia ainda não tinha sido o suficiente pra ela pensar no que poderia fazer, mas resolveu ir pra casa e se trancar em seu quarto novamente e naquele  momento parecia a melhor alternativa. Quando chegou no carro, Eduardo estava cochilando dentro então Nayra bateu no vidro devagar e ele acordou e imediatamente destrancou o carro e ela entrou, ele percebeu que ela havia chorado, pelo fato de estar de óculos escuros sem sol e quase escuro, então...

Eduardo: Você quer ir a outro lugar?

Nayra queria ser levada pro cemitério e ser enterrada, mas Eduardo não iria fazer isso...

Nayra: De volta pra casa.
Eduardo: A Camila me ligou, estava querendo saber onde você estava e se estava bem.
Nayra: Por enquanto estou viva, e se não for pedir demais eu queria não conversar pode ser?
Eduardo: Tudo bem, como quiser.

Eduardo simplesmente a levou pra casa tendo plena certeza de que ela era uma garota mimada e chata. Nayra foi direto para seu quarto e fez algo que ela jamais pensou em fazer um dia, tomou remédio para dormir e desmaiou na cama. Camila entrou na cozinha toda empolgada e falou com Eduardo...
Camila: Oi Dú, e ai como foi?
Eduardo: Foi o quê?
Camila: O passeio com a Nayra.
Eduardo: eu não fui passear com ela, a levei no parque do Ibirapuera e  a esperei só isso.
Camila: Bom eu vou lá tentar conversar com ela, da ultima vez que conversamos ela ficou animada em ir na balada de dança comigo.
Eduardo: sei percebi a animação dela, cuidado ela está de mal humor.
Camila: já falei pra você parar com essa implicância.
Eduardo: Bom eu vou ficar no meu quarto se vocês forem sair me dá um toque se não forem me diz também porque daí vou estudar.
Camila: Ok.

Camila foi toda contente pra falar com Nayra e bateu na porta e ela não falou nada, daí ela entrou e viu que Nayra estava dormindo, e viu que ela tinha que tomar uma atitude urgente, pois não queria ver Nayra entregue a solidão daquele jeito, pois ela poderia sofrer uma depressão também, sem querer ela também viu o frasco de remédios em cima das sua cama e se tratava de calmantes, no outro dia ela teria uma conversa bem séria com ela e mesmo que ela não gostasse. Nayra acordou de manhã com o som dos pássaros novamente, mas com uma imensa dor de cabeça deve ter sido os remédios para o sono, então foi direto para o banheiro e ficou se olhando e disse:

Nayra: Nossa garota você está horrível, você tem que reagir.


Xero!



6 comentários

  1. Dih! Será que vai ter um romance com o Eduardo? Hum...acho que sim...Ansiosa pelos próximos capítulos^^ bJs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hum.... aguarde a cena dos próximos capitulos rsrsrsrs Xero

      Excluir
  2. Ah, que lega,
    adorei o capitulo, não tinha visto ainda por isso estou indo conferir os outros capitulos, fiquei curiosa pra saber o que o Eduardo disse pra ela ficar assim tão abalada.

    http://soubibliofila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Gente coitada. Eu tô com pena da Nayra, mas realmente ela tem que reagir! Juro que pensei em suicídio quando li "frasco de remédios" que bom que não foi isso! UFA!

    Um beijo
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Bem vindo ao blog Minhas Escrituras...
Fique a vontade para comentar aqui a sua opinião pessoal, sempre com respeito é claro!!! ;)
Você pode deixar o link de seu blog, que faço a retribuição com o maior prazer, mas não retribuo em postagens de promoção, ou seja, não comento.
Mensagem pra pedir que siga o blog, são automaticamente deletadas. Comenta no blog e deixa o link,farei uma visita no seu ok.
Quero agradecer a vocês que passam por aqui e deixam suas marquinhas, isso é muito importante... sintam-se a vontade...
Xero!