Resenha #514 - O Caos - Nohane Carvalho


Título: O Caos
Autor (a): Nohane Carvalho
Editora: Independente
Páginas: 200
Nota: 4/5 

Com o meu coração dilacerado, a vergonha e a dor inundando meu ser e lágrimas ameaçando transbordar de meus olhos, eu corri. Entretanto, eu não era capaz de fugir da minha realidade. 
Nem toda princesa vive um conto de fadas, algumas nascem para lutar. Uma destas princesas é Arissa, e hoje trago para vocês a resenha de O Caos, livro que encerra a duologia de A Ordem, escrita por Nohane Carvalho.

Após Arissa, princesa de Terycen descobrir que vivia em um mundo repleto de  mentiras, precisou sair de seu reino, dominado agora por Hirt, um ditador frio e cruel, que consegue trazer milhões para seu lado, fingindo ser um líder carismático e bom.

Hirt faz parte da Ordem, e afirma que todas as atrocidades cometidas mundo à fora, são causadas pelo grupo da oposição, chamado Caos, grupo que Arissa faz parte.

Arissa está passando por uma recuperação emocional bastante complicada, devido a tudo que passou após descobrir que seu mundo não era nada do que imaginava, ela perdeu pessoas que amava, descobriu a real face de outras, seu coração foi destroçado por Adrian e ela quer vingança.

As coisas ficam cada vez mais complicadas em Terycen, e Arissa quer lutar para arrancar Hirt do seu reino, pessoas são executadas a sangue frio em rede nacional, e ela precisa agir rápido para tentar salvar o máximo de pessoas inocentes deste governo ditador, porém será que as pessoas conseguem enxergar o real mal que aquele homem pode trazer no Governo? Na prática sabemos que não é tão fácil assim.
Foi algo rápido, um ato que poderia passar despercebido por muitos, mas foi possível ouvir, antes que as algemas o eletrocutassem até a morte, diante dos telecomunicadores (...): A paz mundial é a maior mentira já contada.
Em relação à diagramação, este livro foi publicado de uma forma independente, a capa foi feita pela autora e eu particularmente gosto muito dela, as letras são grandes, as páginas são amareladas, e há alguns errinhos de revisão, mas não atrapalham na leitura.


Nohane, terminou essa duologia com uma bela mensagem politica, que nos faz refletir sobre como um país nas mãos erradas pode causar destruição das massas, aos olhos cegos da população, que infelizmente muitas vezes só enxergamos o queremos ver, ou aceitamos propostas que são boas para nós, mas não tão boas para o próximo, e que a empatia é a palavra chave para se viver em harmonia com os demais. 
A responsabilidade tem um peso enorme. Quando se tem um arma poderosa em mãos, há tanto que pode ser feito, tanto que pode acontecer, mas se não for muito bem pensado, você pode acabar sem um pedaço seu, no sentido figurado e literal da coisa.
Mais uma vez a narrativa da autora está bastante fluida e o livro pode ser devorado facilmente, confesso que eu me surpreendi mais com o primeiro livro, mas foi também porque era um universo novo a qual eu estava sendo apresentada, então ele acabou sendo mais impactante para mim que o segundo, mas a autora conseguiu manter o ritmo frenético nesta história também, e a Arissa mesmo tão abalada, se mostrou uma mulher forte, criada não para ficar sentada em trono, e sim para liderar pelo direito da igualdade e contra à opressão.
Ele não. Ele nunca.
Até a próxima.

Prêmio Brasil Entre Palavras: Votação Aberta!!!!


Feliz 2019, leitores!

Que tal começar o ano com aquilo que mais gostamos de fazer: escolher os MELHORES DO ANO!!

É chegada a hora, digo, o mês de votar nos seus lançamentos de 2018 preferidos!

Venham conhecer os concorrentes que se inscreveram em dezembro no Prêmio Brasil Entre Palavras!


PRÊMIO BRASIL ENTRE PALAVRAS

REGRAS DE VOTAÇÃO

- A votação se refere aos livros cadastrados pelos próprios autores na primeira fase do Prêmio (dezembro/2018);

- Cada leitor poderá votar uma única vez em cada categoria;

- Cada leitor pode indicar um livro na opção OUTRO desde que: 1 - seja livro nacional; 2 - tenha sido lançado entre 31/10/2017 a 01/11/2018; 3 - seja informado nome do livro e do autor. Não estando nesses 3 requisitos, a indicação será desconsiderada;

- A votação vai até 30/janeiro/2019;

- O resultado será divulgado no dia 31/jan.

>> VOTE AQUI <<


PRÊMIO BRASIL ENTRE PALAVRAS

CONCORRENTES INSCRITOS

*ATENÇÃO: a votação na categoria MELHOR CAPA é feita de forma geral e não por gênero, bem como a categoria MELHOR EDITORA.

As capas abaixo são apenas dos livros inscritos. Apesar de aceitarmos novas indicações nas categorias, novas capas não serão aceitas.


AÇÃO

ANTOLOGIA

AVENTURA

CHICK-LIT

CONTOS / COLETÂNEA

DISTOPIA

DRAMA

ERÓTICO / HOT

FANTASIA

FICÇÃO / FICÇÃO CIENTÍFICA

JOVEM ADULTO

POESIAS

POLICIAL

ROMANCE

ROMANCE DE ÉPOCA

ROMANCE LGBT+

SUSPENSE / THRILER

TERROR / HORROR

WATTPAD


>> VOTE AQUI <<



É isso! Convidem seus amigos para votarem também!

Boa sorte aos concorrentes!

Até + ver!


Resenha #513 - O preço de uma vida - Cristiane Krumensuer

Livro fornecido pela autora

Título: O preço de uma vida
Autor(a): Cristiane Krumensuer
Editora: Novo Século
Páginas: 351
Nota : 4/5 

Olá tudo bem com vocês? 

Entramos de recesso por alguns dias, e é claro que para começar bem o ano, temos que iniciar com uma resenha nacional, e o livro escolhido foi O preço de uma vida, da nossa parceira Cristiane Krumensuer.

O livro é divido em dois tempos, no passado, mais precisamente na década de oitenta, encontramos um personagem muito importante e repleto de mistérios para esta história, que é uma garotinha de cinco anos, moradora do sertão nordestino e é encontrada por Getúlio e seu irmão Josiano, já quase à beira da morte. Essa criança acaba de passar por um trauma muito grande e não tem ninguém. E eles decidem levá-la junto com eles para São Paulo, porém muito jovens, com medo de se encrencar e sem saber o que fazer com a garotinha, resolvem vendê-la para uma família e vemos o desenrolar do que acontece com esse personagem também durante o decorrer desta história.
Estranho como os dias podem ser tão diferentes um do outro. Antes, ela pensava que a seca era cruel. Pensava também que a fome e a sede eram as piores inimigas.
No presente, temos um mistério para ser resolvido, um jovem e rico rapaz morre já nas primeiras páginas deste livro, ele se chama Danúbio e seu pai, Getúlio Tavares, agora dono de uma das maiores empreiteiras do Brasil, está devastado e procura o culpado pela morte de seu primogênito, porém ao que tudo indica não foi um assassinato, mas Getúlio tem motivos para desconfiar do que aconteceu.
É uma questão em aberto... E eu não posso enterrar o meu filho com uma questão em aberto.
Ele procura ajuda da melhor amiga de seu filho, a Naiona, uma mulher forte e independente que está passando grandes dificuldades financeiras, ela trabalha como freelancer no ramo de investigação, vive em um prédio xexelento, mas obviamente sem perder a sua classe. 

Naiona aceita a proposta feita por Getúlio, afinal de contas, além de querer encontrar respostas sobre à morte de seu melhor amigo, vai receber também uma grande quantia que poderá tirá-la da falência, mas as coisas começam a ficar estranhas quando Naiona recebe mensagens escritas por Danúbio, antes de sua morte, há algo muito errado acontecendo, e muita podridão envolvendo a fortuna da família Tavares.

Eu fiquei totalmente absorta nos dois tempos querendo saber o que aconteceu com a garotinha sem nome, e o como a Naiona ia resolver todo o mistério acerca do falecimento de Danúbio, e posso afirmar que a autora me surpreendeu bastante com uma resposta simples, porém muito contundente para a resolução do caso. A Naiona é um personagem muito carismática, daquelas que você quer ler mais sobre ela, e anseia por outras histórias em que a personagem participe, ela é determinada, forte, tem um "humor mal humorado" extremamente divertido, e as cenas dela conversando com seu gato - o Garfield, dão uma leveza a esta história.

Em relação à diagramação, na capa temos a representação da garotinha sem nome, abandonada no meio do sertão, o livro é bem leve, tem folhas amareladas, as letras são grandes e não notei erros na revisão.


Eu gostei muito da escrita da Cristiane, e ela a sua parceria foi um grato presente que recebe no final de 2018, e eu agradeço muito à autora, por ter me apresentado a sua obra e me dado a oportunidade de poder resenhá-lo. Para quem gosta do gênero está ai uma ótima dica, vamos apoiar à nossa literatura nacional, para que ela cresça e ganhe espaço no mercado editorial cada dia mais.

Espero que gostem e até a próxima.

Tag Redes Sociais



Olá, tudo bem com vocês?

Hoje vou responder uma tag divertida que vi no ig @cafe.deletras, que foi idealizado pelo @igmanias_de_leituras (porque corrente de tag pode haahhhahaha)

Twitter - Um livro que você compartilha com todo mundo:

Corte de Espinhos e Rosas, o melhor de fantasia que li em 2018.

Facebook - Um livo que você gostou e foi indicado por outra pessoa:

O Jantar Secreto, do Raphael Montes, inclusive gostei mais do que a pessoa que me indicou.

Tumblr - Um livro que você leu antes antes de fazer o IG e não resenhou:

Amante Eterno, da saga Adaga Negra.

Myspace - Um livro que você tem a intenção de reler:

Amante Eterno, não sei se lerei todos os livros da saga, por mais que eu goste das histórias, não curto sagas longas demais, mas tenho também o Amante Desperto há tempão na estante, e quero aproveitar o gancho.

Instagram - Um livro com capa linda:

Não queria repetir o Corte de Espinhos e Rosas, mas é difícil não pensar nele.

Youtube - Um livro que você gostaria de ver a adaptação para o cinema:

Serei redundante em dizer Corte de Espinhos e Rosas, de novo? Eu sei que os direitos foram comprados, mas também sabemos que isso não quer dizer nada.

Skype - Um livro com um personagem que você gostaria de conversar:

A Naoina, do livro O preço de uma vida, da autora Cristiane Krumenauer (mas tem que levar o Garfield junto).

Essas são as minhas escolhas, e a de vocês, quais seriam?

Até logo!


Resenha #512 - Krystallo - Raphael Fraeman


Lido em parceria com o autor

Título: Kystallo
Autor (a): Raphael Fraeman
Editora: Independente
Páginas: 390
Nota: 4/5 
"Quantas guerras já começaram por conta de um homem estúpido que acredita ter mais poder do que realmente tem?"
Duas grandes potências de Emperon, estão em guerra há mais de 100 anos, países diferentes em recursos e tecnologias, porém lideres extremamente iguais no quesito egoismo e egocentrismo.

De um lado um jovem rapaz chamado Tomé, morador de Econ um pais tecnológico e rico -  Tomé não pode reclamar da vida que possui, mas ele não se sente confortável, e após ser testemunha de um atentado acaba indo misteriosamente parar em um pais desconhecido.
Econ representa o progresso, o futuro, enquanto Opus é o retrocesso, o passado. 
Do outro lado, Gray, moradora de Opus, um pais ditador e pobre, estuda incansavelmente para conseguir ter uma boa colocação e dar uma vida confortável para seus pais, mas é sequestrada no dia do seu aniversário e enviada para um navio.
"Lá em Econ, só os ricos vivem bem, enquanto as ruas são infestadas de sem-teto.
Ambos são peças extremamente importantes para um novo ciclo politico que ocorrerá pelas costas do Governo, mas eles não fazem a menor ideia do que está acontecendo.

Revelações vem a tona, e tanto Tomé, quanto Gray, percebem que foram enganados desde sempre sobre a real história de seus países, um levante está próximo a ocorrer, na tentativa de dar um golpe no Estado, porém talvez esta não seja a melhor alternativa para finalmente ocorrer um tratado de paz.

O livro é intercalado, entre os dois personagens principais, que estão em lugares diferentes e vivendo situações inusitadas, com o minimo de contato possível dentro da história, e também temos alguns capítulos onde os coadjuvantes roubam a cena, e eu particularmente gostei muito deles e da importância deles à causa.

Em relação á diagramação, o livro está em versão e-book, muito bem revisado, o texto está bem centralizado, e a capa é muito bonita.



O livro tem bastante ação durante o tempo todo, porém confesso que não me conectei tanto com o Tomé, como me identifiquei com a Gray, porém eu gostei mais dos coadjuvantes que apoiaram a construção da história do Tomé, com destaque para o Esquadrão Delta, Ricardo e Marian, então no pesar da balança foi uma leitura satisfatória, e para quem gosta de fantasias/e distopia, é uma leitura bacana. Mesmo tendo bastante informação eu achei que autor conseguiu deixar a história bem explicada e com uma mensagem bastante clara, sobre como uma população no geral podem ser prejudicadas com uma péssima escolha nas urnas, como o fanatismo muitas vezes tornam as pessoas cegas, para a corrupção e ao mal caratismo de pessoas que foram colocadas como lideres, e que muitas vezes o novo, pode ser somente mais a ilusão mascarada de esperança. 

Espero que gostem e até a próxima.


Resenha #511 - A vovó chamou o Diabo para a Ceia - Juliana Daglio


Título: A Vovó Chamou o Diabo para a ceia.
Autor (a): Juliana Daglio
Editora: Independente
Páginas: 60
Nota: 4/5 
Ali na pequena sala, na casa velha da família, cercada por paredes desgastadas, fotos velhas e imagens de santos lascados, os Vieira iriam ouvir a última mensagem de Olegna Marcondes Vieira.
Oiee, tudo bem com vocês?

Sabe o espirito natalino que falei ontem, que foi exorcizado? Então ... ele continua fora do meu corpo.

E hoje no dia de Natal trouxe a resenha do novo conto da autora Juliana Daglio, titulado A Vovó chamou o Diabo para a ceia.

Neste conto, temos a reunião de sete membros família Vieira, uma família que como todas as outras, tem seus problemas, fofocas, intrigas e preferências, deste sete, quatro são filhos e três são netos da Sra Olegna, a matriarca já falecida que deixou como último pedido que estes familiares estivessem juntos na véspera do Natal, para assistirem a um vídeo deixado por ela. É um momento de emoção para todos, afinal de contas, depois de morto o parente sempre vira um ente querido, né non?

Mas o que a vovó Olegna tem a dizer, é que neste Natal, haverá um convidado ilustre à mesa, e este convidado é nada mais, nada menos que o Diabo.

A mensagem do vídeo é macabra, todos morrerão até a meia noite, e eles precisam descobrir quem dentro deles está sendo morada do mal. E nisso, máscaras caem no dia em que a hipocrisia natalina teria que imperar.
Amo e odeio vocês, meus filhos.
Tenham uma boa morte.
O conto está disponível, em versão digital, está muito bem diagramado e bem revisado, e a capa é essa lindeza que vocês estão vendo.



Eu gostei bastante da narrativa da Ju, o conto é instigante, como também tem um humor negro delicioso, e o ar de mistério me remeteu aos livros da Agatha Chrstie, só que ao invés de descobrirmos neste conto quem é assassino, precisamos sacar as artimanhas do maligno.

E você? Será que escaparia?
Dois cadáveres jaziam sobre as camas de solteiro no quarto principal. A maldição estava selada.
Espero que gostem e até a próxima.

Resenha #510 - Noite Natalina - Organização Lorhan Rocha


Título: Noite Natalina
Organização : Lorhan Rocha
Editora: Skull
Páginas: 182
Nota: 4/5 
... sugiro que leiam este livro apenas com os olhos , porque aqui estão palavras fortes de conjuro demoníaco que, caso pronunciadas, podem ser capazes de atrair a presença indesejada daqueles que caminham nas trevas.Desejo a todos uma Noite Natalina inesquecível (Trecho extraído do prefácio e escrito por Marcos Debrito
Olá, tudo bem com vocês?

Hoje é um dia especial, para muitos que estão lendo esta resenha. Em uma casa enfeitada com luzes piscantes, é dia de encontrar pessoas queridas, reencontrar parentes distantes, sentir o aroma daquela comida especial que não comemos todos os dias e cear à espera das badaladas da meia noite, abraçar pessoas e ver crianças felizes abrindo seus presentes de Natal, que estavam aguardando ansiosamente seus donos embaixo de uma bela e enfeitada arvore de Natal.

Mas se você passa por tudo isso, e está aguardando ansiosamente pela noite de hoje, desculpe estragar seus planos, mas tenho provas descritas neste livro, que podem fazer com que a sua noite de Natal, se torne um show de horrores.

Afinal teve a audácia de dizer que Papai Noel é um bom velhinho? Ou que duendes são seres do bem e divertidos? Muitos misturam esses seres com o dia conhecido mundialmente chamado como o aniversário de Jesus Cristo, mas acabam misturando a data com outras crenças, pois o Natal se é celebrado muito antes do nascimento de Cristo, e antes de ser chamada de festa cristã, era conhecida como uma festa pagã - realizado no solstício de inverno, e neste antologia vemos seres antigos requerendo seu espaço correto no mundo.

A coletânea contém 17 contos, e eu me surpreendi bastante com alguns contos nesta antologia, que confesso que li com expectativas baixas, como também outros contos não achei que mereciam estar na antologia, inicialmente temos um belo prefácio escrito pelo Marcos DeBrito, e eu encontrei contos regados de terror, vingança, sangue, morte e tragédias (Nossa Verônica, onde está o seu espirito natalino? Desculpa gente, mas eu o exorcizei !!)

Em relação à diagramação, a capa do livro é macabramente bonita, antes de cada conto temos a biografia do autor, as páginas são amareladas, o livro é leve, e as letras são de um tamanho confortável para leitura, infelizmente neste livro encontrei bastante errinhos de revisão, não atrapalharam a leitura, mas estão bem perceptíveis. 



Contos em destaque:

  • Meninos maus não ganham presentes - Henrique Morais
  • O último presente - Daniel Henrique
  • Um velho conhecido - Ruy Galvão
  • A ultima ceia - Gustavo Lopes
  • A Vingança Natalina - Jhonatas Nilson
  • Um desejo Concedido - Helô Delgado
  • Comporte-se - Gustava Paiva

Espero que gostem, e mesmo que duvidem, desejo a todos um ótimo Natal!