Resenha #458 - A Mulher na Janela - A.J Finn


Título: A Mulher na Janela
Autor(a): A.J Finn
Editora: Arqueiro
Páginas: 352
Nota: 4/5  

Olá tudo bem com vocês?

Desde que eu li a sinopse deste livro, fiquei extremamente instigada por essa leitura, pelo fato de termos como protagonista uma mulher problemática e nada perfeitinha, que se vê como única testemunha de um crime que tinha tudo para ser perfeito.

Mas como acreditar em uma mulher mentalmente desequilibrada e alcoólatra, sendo que até ela duvida de si própria?

Anna Fox é uma psicóloga, especializada em crianças. Tem trinta e oito anos, é separada e mãe de uma filha pequena que mora com o pai, e todos os dias ela luta sozinha contra seu pior inimigo: si mesma.
Como médica, digo que o paciente precisa estar em um ambiente que ele seja capaz de controlar. Essa é a minha avaliação clinica. Como paciente, digo que a agorafobia não veio para destruir a minha vida: ela agora é a minha vida.
Diagnostica com uma severa agorafobia, não consegue sair de dentro de casa, e se diverte jogando xadrez online, entrando em salas de bate papo com pessoas que possuem a mesma patologia e stalkeando a vida de seus vizinhos, pela internet ou de preferência pela janela.
Giro a câmera para o lado oeste, Na calçada, dois pedestres olham para as casas geminianas, um deles apontando para as janelas. "Belo imóvel", deve estar dizendo.
Meu Deus. Agora estou inventando conversas.
É claro que Anna não poderia deixar de se interessar pelos seus novos vizinhos - Os Russels, um casal com um filho adolescente, e o mais intrigante é que Jane e seu filho Ethan, também se interessam por ela.

Tudo começa com Ethan, que vai até a casa de Anna, a pedido de sua mãe para lhe dar um presente. Ethan é um garoto introvertido, porém extremamente simpático, e o lado profissional de Anna fala mais alto quando está perto dele, pois ela sente que tem algo errado.

Logo em seguida Jane resolve visitar Anna, e elas se tornam em uma noite regada a muito vinho e jogos de xadrez grandes amigas. Alterada pela bebida, Jane conta segredos a Anna, e revela o quanto seu marido - Alistair é um homem temperamental.

Até que um dia, sozinha assistindo sua maratona de filmes de Hitchtcock, embriagada de vinho e com umas doses acima do recomendado de seus remédios, Anna escuta um grito e vai até a janela de sua casa e acaba presenciando Jane sendo apunhalada fatalmente.

Confusa e desorientada, ela tenta explicar aos policiais o que presenciou, certa de que Jane foi assassinada por Alistair. Todos a olham com pena, e ela não entende porque todos estão tão calmos, até que ela recebe a visita de Ethan, Alistair ... e Jane, mas esta não é mesma mulher que ela conheceu como a Sra Russel.

E agora? Até que ponto Anna pode acreditar no que viu?
Ás vezes tenho a impressão de que estou afundando no meu próprio cérebro.
Eu gostei muito desse livro, e me prendeu muito a teia confusa que a Anna precisa entender para resolver suas dúvidas sobre o que é ou não real. Eu vi algumas criticas negativas sobre esse livro, sobre a estória ser um pouco enrolada, e que é fácil de entender o mistério que está por de trás do passado e dos motivos que deixaram a Anna no estado em que ela está, e realmente houveram momentos que tive vontade de entrar dentro do livro e dar umas sacudidas nela e dizer (após umas goladas de vinho, é claro) ANNA MINHA FILHA, É ISSO, ISSO E ISSO QUE ESTÁ ACONTECENDO MINHA FILHA, A VERDADE ESTÁ NA SUA CARA, mas como poderia ser tudo tão simples sendo que lemos esse livro pela visão de uma mulher mentalmente debilitada, e que mistura remédios fortíssimos com vinho? Não dá, né gente! E essa é a graça dessa estória!

A revelação final do livro, foi uma surpresa para mim, e eu gostei bastante do desfecho, e recomendo a leitura para os amantes do gênero, assim como eu!

Em relação à diagramação, não posso dizer que esse livro me chamou a atenção pela capa, ela não é a das bonitas, mas a edição do livro está simples, porém muito bem feita, as páginas são amareladas as letras são de um tamanho normal e não localizei erros de revisão.



A Mulher na Janela, se tornou um dos best-sellers mais bem falados este ano nos Estados Unidos, e seus direitos foram comprados para uma adaptação para o cinema, que provavelmente ganhará vida ano que vem. E já estou bem ansiosa para conferir o filme.

Espero que gostem e até a próxima.
Um caso especial aos olhos dos médicos. Um caso perdido aos olhos do terapeuta. Uma encarcerada. Longe de ser uma heroína de cinema. Longe de ser uma detetive.
Encarcerada em casa. Afastada da vida.


Resenha #457 - Mais que Amigos - Lauren Layne


Título: Mais que Amigos #1
Autor(a): Lauren Layne
Editora: Paralela
Páginas: 224
Nota: 5/5
+18
Dá para ter um relacionamento platônico com um cara sem qualquer desejo romântico, fantasia sexual e tentativas fúteis de esconder a dor do amor não correspondido com declarações ingênuas como "eu não gosto dele desse jeito."(Parker)
Olá pessoas, tudo bem?

Pensa numa pessoa que estava com uma expectativa muito boa para ler este livro? Pois é. Euzinha. Desde que vi a capa do livro, pensei ele foi escrito para mim haha. E sabe que fiquei com medo de não gostar, mas nossa!! Eu simplesmente amei a história. Eu gosto muito de clichês, e este me arrebatou com a simplicidade da escrita da autora, misturada com a história de Parker e Ben. Eles conseguiram me divertir. Eu me senti presa do inicio ao fim.

Parker, dividia o apartamento com seu melhor amigo. Todos ao redor dos dois, achavam aquilo estranho e não acreditavam muito na amizade dos dois. Afinal homens e mulheres não podem ser amigos. Mas desde a faculdade, eles se dão muito bem e a amizade fica cada vez mais forte. Tanto, que foram morar juntos. 

Cada um com a sua mania. Eles se entendiam. Parker tinha um namorado, mas infelizmente ou felizmente, ele terminou todo o relacionamento com ela. Desde a faculdade estavam juntos. E ele quis terminar. Ela ficou arrasada claro. Se sentiu uma pária. Achando que não era boa o suficiente pra ele. Mas então, Ben estava lá. Ele ficou ao seu lado em todo o momento em que ela ficou triste por conta do término.

Ben é aquele tipo de cara simples. Ele é bonito e pegador. Ele gosta de seus relacionamentos rápidos e nada de ficar mais de uma vez com uma mulher. Ele não curte esta história de se apaixonar. Ele quer apenas aproveitar a vida. A sua amizade com Parker, é muito especial pra ele, então quando ela chega aos prantos, por causa do fim do relacionamento. Ele segura as pontas e fica ao seu lado para confortá-la. Que amigo mais fofo esse ein. 
Eu não  diria  que faço o tipo implicante, mas desenvolvi uma irritação profunda por gente que, assim que descobre que Parker e eu nos damos bem, gostamos da companhia um do outro e moramos juntos, conclui que a gente deve ter um caso. (Ben)
Então após chorar tudo que tinha pra chorar, Parker resolveu pedir ajuda de seu melhor amigo pegador e para que ele lhe mostrasse os prazeres da solteirice, afinal ela não queria ficar pelos cantos sofrendo e remoendo as feridas de seu coração partido e ninguém melhor que ele, para abrir as portas do mundo dos solteiros para ela, certo? Então...

Esse lance de ajudar a melhor amiga a ir a caça, deixou bem um pouco confuso, porque ele tinha certeza que ela não iria conseguir fazer este tipo de coisa e ele se perguntava, porque estaria tão preocupado,  afinal ela estava solteira e queria esquecer o ex. Ele também queria isso, porque ficou muito puto com a forma que o cara escolheu para terminar a relação. Ele esperava que ela superasse, até que ela teve uma ideia completamente inesperada até para ela.

Eu senti uma grande afinidade por Ben. Ele é o tipo de pessoa com a qual você gostaria de estar sempre por perto. Além de lindo, era super divertido. Ele gostava de fazer sua melhor amiga sorrir nos momentos mais inoportunos e sim, as pessoas que estavam perto dele sentiam esta energia positiva.

Parker é uma mocinha confusa e muito certinha. Eu não consegui imaginá-la na noite indo a caça de um flerte. Ela é o tipo da mulher que só fica com um cara se tiver algum sentimento envolvido. Este lance de dormir com um desconhecido, era bem diferente do que ela demonstrava ser. 

O que sei foi que amei a história e como ela se desenrolou. A escrita de Lauren é simples, mas bem leve e divertida. A vontade que dá, é de entrar na história e se divertir junto com os personagens. Sabe aquele livro que você pode ler depois de finalizar uma leitura mais tensa, ou até mesmo sombria? Mesmo com qualquer tipo de ressaca, você consegue lê-lo rapidamente, porque é uma delicinha de leitura. 



A diagramação do livro é bem simples. As folhas são amareladas e a fonte em tamanho médio, completamente confortável para a leitura. Não me recordo de erros de revisão. A escrita é de total fácil entendimento tornando-a mais dinâmica e fluída. 

Eu recomendo demais, para quem gosta de romance, relação de amizade e família. 
Fico paralisado quando um pensamento terrível me vem à mente.
De repente, entendo por que Parker está aqui.
Entendo por que está tão tensa.
E sei por que acha que não vou gostar de ouvir o que tem para falar. (Ben)
Espero que tenham curtido e me digam nos comentários, se já leram, ou pretendem ler. Um xero!

Resenha #456 - O Mal que há em mim - Alexandre Braoios

Cedido em parceria com a Aberst

Título: O Mal que há em mim
Autor(a): Alexandre Braoios
Editora: Amazon
Páginas: 49
Nota: 4/5  
+ 18 anos

Olá, tudo bem com vocês?

A leitura que vou falar hoje, foi selecionada em parceria com a Aberst e a minha próxima vitima (como costumo chamar carinhosamente os autores da Aberst), foi o e-book O Mal que Há em Mim, do autor Alexandre Braoios.

A coletânea contém sete contos:
  • Um cadáver chamado Neuza
  • O Poço
  • Olhos Vermelhos
  • Lucas, 16:13
  • Pelo Espelho
  • A Marca
  • A Novidade
Eu achei todos os contos bons e bem construídos. Todos são de terror, e estão bem diversificados. 

Eu selecionei dois contos da coletânea que foram os que achei mais interessantes para falar um pouco mais para vocês.

Olhos Vermelhos

O conto narra a história de um rapaz que sonha em se tornar padre, mas há um percalço em seu caminho. Ele tem a companhia indesejada a todo tempo de um par de olhos vermelhos que o atormenta.
Para piorar, nasci do dia 6 de junho. A data completa parece um presságio 6/6/66.
Assistimos ao desenrolar da vida desse homem, que não entende os motivos para ser perseguido por forças diabólicas, visto que se considera um homem temente a Deus, e eu gostei bastante da conclusão desse conto.
Estou exausta, mas não consigo dormir e nem quero. Daqui à pouco vão começar os barulhos de novo, só faltam quinze minutos para as três da manhã. Toda noite é assim. Mas eu tenho que fazer alguma coisa, não posso mais continuar fugindo, tenho que enfrentar essa maldição.
A Marca
(A marca é sua) - uma voz fraca, rouca e sibilante, foi sussurrada próximo ao seu ouvido...
Eu achei essa estória muito interessante, e um belo conto de terror.

Juliana teve um passado cheios de traumas, concebida pela violência que a mãe sofrera, foi criada sem amor e a única companhia que tinha era sua irma gêmea - a Julia.

Agora no presente ela sofre com as lembranças do passado que fazia questão de esquecer, e com uma visita vinda direto do inferno que não pretende ir embora tão cedo.
Ainda desperta, sentiu atrás de si o colchão se afundar como se alguém estivesse se deitando ao seu lado e logo depois o travesseiro também afundou.
Eu decidi não aprofundar as resenhas, devido aos contos serem curtos, e também gostei bastante dos contos: Um cadáver chamado Neuza, O Poço e O Espelho. Os contos que menos gostei foram Lucas !6;13 e A Novidade.


Enfim, eu recomendo a leitura, ela é bastante rápida, os contos são de fácil compreensão, bem fluidos e o e-book está bem revisado. 

Acredito que será uma ótima diversão para os apreciadores do gênero e um bom inicio para os que querem testar estilos fora da sua zona de conforto.

Espero que gostem e até a próxima resenha.

Resenha #455 - O Vale dos Mortos - Rodrigo de Oliveira


Título: O Vale dos Mortos (As Crônicas dos Mortos #1)
Autor (a): Rodrigo de Oliveira
Editora: Faro Editorial
Páginas: 304
Nota: 5/5


São José dos Campos, 14 de julho de 2018.

Hoje é um dia com um marco importante na história universal: Recebemos a ilustre visita do Planeta Absinto!

Mas, com sua chegada, o calor aumenta assustadoramente, diversas pessoas no mundo começam a passar mal e desmaiam, e ao acordarem estão diferentes ...

Acordam com fome, com fome de carne humana.
Lentamente, pessoas das mais variadas idades, cores e classes sociais despertaram daquele transe macabro. Mas, daquele momento em diante tudo o que elas eram, conheciam, amaram e odiaram ao longo de suas vidas estava perdido para sempre.
E junto com Ivan e sua esposa Estela, na cidade de São José dos Campos, acompanhamos a corrida frenética para salvarem seus dois filhos pequenos, das garras desses seres famintos.

Bem vindos ao Apocalipse Zumbi, na visão extraordinária de Rodrigo de Oliveira.

O universo ruiu, em questão de horas não temos mais governantes, as redes eletricas, os meios de comunicação, tudo acaba.
O Lula carismático e dos discursos inflamados, mas também o responsável por um dos governos mais cercados de escândalos e corrupção da história do Brasil. Esse Lula não existia mais. O que havia agora era uma criatura grotesca, que saia da sala se apoiando na porta sem conseguir se mover direito.
Ivan, é um lider nato meu crush forever que a Estela não me ouça, e não se contenta em somente resgatar seus filhos, ele salva quem estiver pela frente, e juntos com seus novos aliados começam uma caçada pela sobrevivência que não será nada fácil, e ele é um protagonista perfeito.
Por sua mulher, por seus filhos, pela sua própria vida, ele tinha que derrubar aquele demônio.
Como também, a Estela se mostrou uma mulher forte e determinada e eu a admirei muito. 
- Desculpe, mas nós não vamos sair - Estela afirmou, com toda a calma
- Cala a boca, sua vadia, eu ja disse que ...
Estela apontou a pistola para a cabeça do homem, que parou de imediato. O grupo inteiro ficou paralisado diante da Glock
A principio todos se acomodam em um shopping que estava fechado, e ali começam a tentar se adaptar à viverem trancados; afinal, o local tem tudo que eles precisam. Mas eles sabem que um dia a comida acabará, e optam por tentar se mudar para um condomínio fechado enorme que fica próximo ao shopping, existem pessoas presas dentro de algumas casas neste condomínio passando fome , outro motivo que deixa Ivan desesperado para salvá-los, e pior ... estão rodeados de zumbis ensandecidos.
A pistola escapou de sua mão e quicou no asfalto, a cerca de dois metros dele. O zumbi ficou sobre Ivan, tentando se aproximar de alguma parte de seu corpo para morder. 
E quando tudo parece que vai dar certo, eles descobrem que a humanidade ainda pode ser pior do que os mortos vivos.

Há muito, mais muito tempo mesmo eu estava querendo esse livro, tanto que ele foi lançado há quatro anos atrás, e já está no sétimo e penúltimo livro da saga, mas sempre quando comprava livros novos não me lembrava dele. E hoje sei que tudo aconteceu na forma correta, pois agora fiz a leitura  não só como leitora, como também sendo parceira da Faro, e podendo lançar essa resenha, em uma data tão importante para a estória contada aqui.

Em relação à diagramação, temos a perfeita representação do mundo pós apocalíptico com um carnicinha (apelido carinhoso para zumbi) estampado na capa. As folhas são grossas, e amareladas, sem erros de revisão e com uma letra totalmente confortável para a leitura.

No post it temos o trecho da música The Sing of the Southerm Cross, da banda Black Sabbath.

Eu devorei esse livro em poucos dias, e ficou muito feliz e satisfeita com a leitura, o autor escreveu uma estória apocalíptica perfeita, e por muitas vezes, eu me vi dentro daquele universo, tão parecido e ao mesmo tempo tão diferente do nosso, imaginando se eu teria a mesma coragem que o Ivan e Estela tiveram, e se o primeiro livro é uma introdução para tudo que estar por vir, imagine os próximos.

Eu estou muito ansiosa para dar sequência nas leituras e prometo não demorar mais tanto assim. E aos atrasadinhos de plantão, como eu, recomendo demais essa leitura, pois o livro é fodástico!
- Não tenho medo de lutar contra mil feras. Tenho medo mesmo é de pensar no que vai acontecer com os que eu amo se eu não tentar. E por mim, o reinado dessas criaturas começa a desabar a partir de agora.
Espero que gostem e até a próxima.


Dia de Quotes #10 - A Capela - Jhefferson Passos

Olá, tudo bem com vocês?

Chegamos em mais uma sexta-feira 13, e para comemorar esse dia trevoso, trouxe para vocês na sessão de quotes, um dos meus livros de terror nacionais favoritos, que é A Capela, do autor Jhefferson Passos, aliás o e-book está disponível gratuitamente hoje na Amazon.

O que você faria se estivesse preso dentro de uma capela, escondido de um mal que te espreita por detrás de um imenso canavial?

Aviso a todos que rezar não será suficiente ...

 "Pegue seu terço, abra a bíblia e repita: ""Em nome do Mal, Amém".
   Faça o sinal da cruz invertida.
   Pronto !! Já está pronto para ler" (texto retirado do Instagram do autor - stalkeio mexmoo hahahaha)


- Você quer vendar os olhos e ainda sair daqui, onde estamos protegidos, e correr ás cegas nesse canavial?

Ela estava sendo infectada pela fraqueza dele. E se aquilo acontecesse ali dentro, a fortaleza ruiria.

É uma criatura? Aqueles escravos? O diabo? O que está ali fora?

Agora quem era o monstro? O que estava naquele canavial ou dentro dessa capela?

Não está tranquila. Nem segura. Tem algo ali. Algo está com ela dentro da capela. Não é algo que possa machucá-la fisicamente. É algo que pode machucar ainda mais a sua sanidade.

Se perguntasse para ela qual imagem definiria seus pensamentos descreveria que seria uma caixa de papelão cheia de ossos. Todos misturados. E ela ali do lado com dificuldades para entender a maneira correta de montar aquele esqueleto.

E essa fome atinge um estágio um estágio tão alarmante em seu sistema nervoso que ela retira partes de si mesma como alimento. Alguns dedos de suas mãos sangram. E as dores dos ferimentos chegam a causar-lhe algum alivio.

E aí? Prontos para encarar o canavial?

Lançamentos de Julho: Faro Editorial

Olá pessoas, tudo bem?

Hoje eu venho com os lançamentos da Faro Editorial. Para quem ainda não sabe, a editora estará na bienal deste ano com seu próprio estande e quando estiver mais próximo da bienal, irei trazer maiores informações. Fiquem ligados!


Em Dança da Escuridão, a aguardada sequência de Horror na Colina de Darrington, Ben Simons desperta abruptamente e se vê amarrado a uma cadeira de metal, imerso no breu de um local desconhecido. A voz que grita é a de um homem misterioso e sem escrúpulos, que não poupará esforços para extrair de seu interior a obscura confirmação que tanto deseja... o mal presente na sua origem. Agora, para entender o que aquilo significa, o que o colocou na situação de alvo da seita, e tentar salvar todos que estão em perigo por sua causa, ele precisará remontar seus passos desde muito antes da fuga do sanatório ou do episódio na Colina de Darrington e confrontar os tentáculos da aterrorizante organização, que se mostram cada vez mais presentes em todos os lugares. QUANTO DO BOM MENINO AINDA RESTA? O QUANTO AGORA É ESCURIDÃO?



O empreiteiro Wyatt é bem-sucedido, inteligente, engraçado, bem... servido, mas nada organizado! Para lidar com a burocracia do negócio e ajudar na expansão de sua empresa, ele contrata a super eficiente Natalie.
Os dois tem uma forte atração sexual, mas mantêm a relação apenas no âmbito profissional.... SEMPRE LEVO AS MULHERES À LOUCURA, SEJA NAS OBRAS QUE CUIDO OU DEBAIXO DOS LENÇÓIS.Isso até eles se verem num bar de Las Vegas e receberem uma notícia desastrosa. Para salvar a noite eles resolvem curtir tudo que a cidade do pecado tem a oferecer... desde uma certa montanha-russa até uma capela para casamentos rápidos. E o problema é que o que aconteceu em Vegas, não ficou em Vegas...E a cada dia me sinto mais tentado a mudar o status do meu relacionamento com a Natalie. Não sei se a trato como minha ex-esposa ou se coloco um anel de verdade no dedo dela.
O QUE NÃO TENHO DÚVIDAS É QUE NINGUÉM DEIXA MINHAS FERRAMENTAS EM PONTO DE BALA COMO ELA... E ISSO É ASSUSTADORAMENTE DELICIOSO.

A Lauren vem para a bienal de sampa e para quem gosta de seus livros terá a oportunidade de conhecê-la pessoalmente e ainda garantir seu autógrafo. Para quem a acompanha nas redes sociais, sabe o quanto ela é simpática com os leitores. Então se puder, não perca a oportunidade.

O Marcus também estará por lá. Aliás, a bienal é uma excelente oportunidade para rever e conhecer os autores nacionais que tanto admiramos. Então quem for, nos encontramos lá! Sigam-me os bons!

Redes Sociais:
| Site | Facebook | Instagram | Youtube |  

Um xero!

Resenha #454 - O Segredo da Caveira de Cristal - Livro II


Livro cedido pela editora
Título: O Segredo da Caveira de Cristal #2
Autor (a): Mallerey Cálgara
Editora: Mundo Uno
Páginas: 380
Nota: 5/5
Que tipo de homem estava em meio a eles, com uma criança e uma gata nos braços? Que tipo de homem era ele que os levava a segui-lo sem questionar seus motivos, mesmo que ele os levasse diretamente à morte?
Olá, tudo bem com vocês?

A resenha de hoje é sobre um reinado liderado pelo caos. 
Dois dias. Esse foi o período para que os gritos de horror diminuíssem. Uma nova praça de pilares foi erguida e uma quantidade assombrosa de cabeças a decorava.
Na sequência de O Segredo da Caveira de Cristal (Resenha) - presenciamos a luta de Mongho para defender a caveira de cristal - objeto de grande poder, de Sulco - rei de Heilland. 

O livro é divido em duas partes.

Na primeira, Mongho está sozinho com um bebê chamado Záryha e um filhote de gata chamada Noha, que surgiram ao final do primeiro livro e carregam grandes mistérios e poderes.

Mongho se une a sobreviventes das terras praticamente dizimadas por Sulco, afim de proteção e sobrevivência e junto a um povo mágico, se tornam a Rebelião.
Há um desejo de vingança, quero justiça.
Há um desejo para a guerra, luto pela paz.
Luto pela ordem que irá trazer a liberdade a todos os povos.
Eu sou a Rebelião.
Ocorre um intervalo de tempo grande no livro, e na segunda parte, uma nova protagonista surge. 

Záryra, tem dezoito anos, é uma linda garota, que usa um tapa olho que esconde um poder que nem ela sabe que tem.

Temos também mais dois personagens principais - Zargus - braço direito de Sulco e Haizen, filho de Sulco. E é ai que o destino começa a brincar com todos.

Tudo indica que Haizen, teria que ser impiedoso e cruel como o pai, mas não, ele herdou a bondade e gentileza de seu tio Heian, enquanto Zargus é talvez até mesmo pior que Sulco.

Záryha, Zargus e Haizen são personagens que surgiram no final do primeiro livro, e a vida deles são interlagadas umas as outras, mas eles não sabem disso.

Por mais que Haizen, não queira a guerra, é obrigado a lutar ao lado de seu pai e Zargus, junto com o exército mágico criado por Sulco - Os Interceptadores, seres fortes e velozes, que querem recuperar a caveira de Cristal, mas encontrar Mongho e seus aliados é praticamente impossível.

Até que um dia Haizen é deixado para morrer na floresta e acaba sendo encontrada por Záryha, que mesmo o reconhecendo como um inimigo não consegue deixar de sentir empatia e acaba o ajudando, com o único poder que tem ciência que tem - a cura.

Não tarda a esses três personagens se encontrarem, se reconhecerem e entenderem o seu real significado dentro desta guerra, e cabe a Záryha lutar pelos desesperançosos dias de paz.
Os ventos cessaram e houve um longo e perturbador silêncio, Então, um a um, os vigilantes escondidos nas arvores caíram desacordados. O circulo se fechava lentamente à medida que o pavor os dominava.
Sabe a maldição do segundo livro, nunca ser melhor que o primeiro? Isto não acontece neste livro, pelo contrário, a estória não só permaneceu em evolução, como foi mantida a característica surpreendente que este livro causa., e eu gostei mais do segundo do que do primeiro.

Em relação à diagramação, temos uma capa no estilo da primeira, só que desta vez quem está sendo representada é a Záryha. As paginas do livro são bem amareladas, e acho que combina muito com estilo medieval do livro. As letras são de um tamanho médio, e não localizei erros de revisão.


O livro é uma duologia, e ele acaba de uma forma fechada, mas mesmo assim você anseia por mais e o final talvez não agrade a todos, por isso aviso que você deve lê-lo com a mente aberta, pois para tudo há um motivo, como também uma consequência.

Ler os livros da Mallery, é algo extremamente prazeroso, pelo fato que nunca, repito ... nunca conseguiremos captar o que ele pretende fazer com seus personagens, ela tem uma escrita surpreendente, dinâmica, ágil, e ...sádica. 

Sabe aquele tipo de livro que enquanto você lê todo o universo vem em sua mente, como se fosse um filme? E você começa a criar teorias, antes mesmo de terminar o capitulo, e acaba dormindo horas depois do planejado porquê simplesmente eles terminam de uma forma tão desgraçadamente arrebatadora que você precisa saber o que vai acontecer, e não dá para adivinhar o que vai acontecer? É assim que me senti lendo este livro, e espero que você sinta isso também!
O amor não tem vencimento e a fragilidade é o resultado do peso que todos carregam nos ombro então chore. As lágrimas também curam.
Até a próxima.



Resenha #453 - A Barraca do Beijo - Beth Reekles


Título: A Barraca do Beijo 
Autor(a): Beth Reekles
Editora: Astral Cultural
Páginas: 336
Nota: 3/5
Suspirei comigo mesma. Parecia bem claro que Noah me via somente como uma irmã mais nova vulnerável e ingênua demais, mas não consegui evitar de desejar que ele houvesse feito aquilo por razões diferentes.
Olá pessoas, tudo bem?

Hoje eu venho com a resenha do do livro A Barraca do Beijo, que está famosinho, devido ao filme lançado pela Netflix. Eu amei o filme, e quando soube do livro, fiquei com muita vontade de ler. Aqui falarei apenas do livro, sem comparação com o filme, pelo menos vou tentar rs.

Elle Evans uma garota bonita e popular, tudo o que uma garota quer ser. Com seus 16 anos, ela vive um desafio na sua adolescência. Nunca foi beijada. Ela as vezes pensa nisso e acha estranho não ter conseguido dar seu primeiro beijo ainda, mas não se prende muito nisso, acredita que vai acontecer, quando for o momento certo.

Noah Flynn é um cara mais lindo da escola, além de super popular é o maior bad boy também. As menias piram e suspiram por ele. Ele é o rei dos joguinhos de sedução. E isso deixa não só todas as garotas de todas as séries loucas por ele, quanto Elle que sempre teve uma quedinha por ele.

Elle tem uma amizade muito forte com Lee, o irmão mais novo de Noah. Eles nasceram no mesmo dia. Seus pais sempre foram amigos, então os dois foram criados como irmãos gêmeos. Eles são muito ligados. Se conhecem muito bem. E mesmo que Lee soubesse que Elle tinha uma quedinha pelo seu irmão mais velho, isso nunca abalou a amizade deles. 

Mas Elle não sabia que sua paixão por Noah aumentaria gradativamente quando a ideia  de A Barraca do Beijo foi dada, planejada e que chegou o grande dia. O que ela menos esperava, era que ele apareceria por lá. Depois da barraca do beijo, nunca mais as coisas foram do mesmo jeito. Mas Elle tem seus receios, porque Noah é o rei dos joguinhos, será que ela está preparada para ter seu coração partido? Ou será que viverá um romance de contos de fadas? Só lendo para saber em como terminará esta história. 

Eu gostei muito da história, eu consegui me divertir e dar muitas risadas, porque Elle é hilária. Eu amei a sua amizade com Lee e confesso que torcia muito para que eles se apaixonassem, mas em determinados momentos da leitura, percebi que eles nasceram mesmo pare serem amigos. Aqueles amigos que estão ali para todos os momentos da vida, bons ou ruins. E que eles se entendiam muito pelas trocas de olhares. Neste livro eles mostraram que existe sim amizade entre homem e mulher e eu fiquei muito feliz em ter vivido isso junto com eles.

Eu não curti muito o Noah, achei ele muito possessivo para o lado de Elle. Achei fofo inicialmente ele demonstrar preocupação e cuidado com ela, por ser ingênua e tudo mais. Só que ele teve tantas atitudes machistas que me irritaram profundamente e quase entrei dentro do livro pra dizer a ele se segurar um pouco, porque cantar de galo não estava com nada. E que estávamos no século 21 e que esse negócio de machão alfa não existia mais. Sinceramente este personagem não me agradou em nada e eu fiquei com a quela pontinha de frustração dentro de mim, mas que faz parte. 

Tirando esta ressalva até que gostei da história, até porque Elle e Lee são bem divertidos e as cenas com eles foram bem trabalhadas e eu curti demais estar entre eles. Ri muito. A minha primeira impressão com a escrita de Beth foi boa e claro que se possível quero ler outros romances dela. Afinal de contas, romance é bom demais.


A diagramação do livro é super simples. Mas as folhas amareladas com a fonte de tamanho médio, foram excelentes para uma leitura bem rápida e fluída. A capa do livro traz os personagens do filme. Eu gostei, mas achava legal ter pelo menos uma contra capa para mostrar a capa que a autora teria escolhido. 

Mas eu recomendo a leitura, porque é um romance leve, engraçado e carregado de muito amor e amizade. 
Suspirei baixinho comigo mesma e fechei os olhos, sentindo o sol aquecer minha face. Senti Lee se deitar ao meu lado e ficamos ali, aproveitando o sol, satisfeitos e relaxados demais para dizer alguma coisa. 
Um xero no coração!

Leituras de Junho!


Olá pessoas, tudo bem?

Hoje eu venho com minhas leituras de Junho. Terminei o mês com a soma de 5 livros, só não foi 6, porque fiquei doente e abrir os olhos eram um tormento eterno rs.

**Mister O (4/5) - Eu gostei muito da leitura. O casal Nick e Harper conseguiram me conquistar. Eles me contagiaram com o jeito leve de ser e a forma como o romance foi acontecendo, me deixou mais apaixonadinha por eles. (Ele não está na imagem acima, porque eu o emprestei rs.) 

**Quando as Estrelas Caem (5/5) - Me apaixonei completamente por este enredo. Amo Distopia e com a pitada de ficção científica me levou a loucura haha. Cada acontecimento, cada cena, cada crescimento e amadurecimento dos personagens me deixaram completamente extasiada.

**A Barraca do Beijo (3/5) - Eu gostei da história e a amizade de Elle com Lee, foi uma doçura de ler. Eu me diverti muito com os diálogos deles. Mas em breve teremos resenha no blog e vocês poderão conferir a minha opinião.

**Mais que Amigos (5/5) - Ahhh outro livro puro amor. Eu peguei despretensiosamente e foi a melhor coisa que fiz, porque mesmo que eu o desejasse demais, as minhas expectativas eram brandas e tive uma grata surpresa, bem positiva. Em breve resenha.

**A Garota dos Pesadelos (3/5) - Eu curti a leitura, mas confesso que esperava bem mais deste livro. Não falarei muito, porque ainda vou resenhar, mas confesso que o final foi muito bom, mas ainda senti que faltava algo.

Bom pessoal, por enquanto é isso. Como foi o mês de vocês? 

Um xero!

Resenha #452 - Deixada para Trás - Charlie Donlea


Título: Deixada para trás
Autor(a): Charlie Donlea
Editora: Faro Editorial
Páginas: 368
Nota: 5/5  
+ 18 anos
A entrevista dessa manhã foi uma conclusão do drama de Megan McDonald e tinha que acabar com sucesso. Não podia incluir nenhum elemento desagradável que ainda perdurasse a respeito daquele verão. Sobretudo acerca de Nicole.
Nicole Cutty sumira. Essa não era uma história de sucesso.

Olá tudo bem com vocês?

Trago hoje para vocês a leitura do ultimo livro que recebi em parceria com a Faro Editorial. 

Faz tempo que estou de olho nesse livro, e tenho visto ótimas resenhas sobre ele e não é para menos ... o livro é realmente ótimo e o Charlie Donlea ganhou vários créditos comigo.

O livro retrata a história de duas garotas sequestradas - Megan e Nicole.

Duas garotas totalmente diferentes, Megan é filha do policial local da Carolina do Norte, é uma aluna exemplar, sonha em se tornar médica, é bem quista por professores e alunos.

Em compensação, Nicole é problemática, rebelde, não se importa em ser conhecida como uma garota promiscua e oferecida e odeia Megan com toda a sua perfeição.

As duas desaparecem no mesmo verão, em meados de agosto de 2016 e após duas semanas de procuras árduas, Megan consegue fugir do seu cativeiro.

Megan se torna a garota mais falada do momento, e após um ano de seu sequestro, lança um livro, onde conta os terrores que ocorreram enquanto era mantida presa e seu livro se torna um best seller.

Mas ... e Nicole? 

Bom, todos se esqueceram dela, menos sua irmã mais velha - Lívia.



Lívia é uma aluna de patologia forense, e todos os dias se prepara psicologicamente para encontrar sua irmã sem vida em uma das mesas frias onde faz autopsias todos os dias. Ela não deixa de estudar arduamente para que quando isto ocorra, ela possa dar um final digno e conclusivo ao corpo de sua irmã. No dia do desaparecimento, Nicole tentou ligar para Lívia, mas acreditando que a irmã mais nova estivesse tendo mais um novo chilique juvenil, não atendeu a irmã, e ela leva essa culpa cravada no peito.
Toda vez que o corpo de uma desconhecida entrava no necrotério, Lívia se perguntava se seria Nicole. Abrir o zíper do saco de vinil preto e dar uma rápida passada de olhos no cadáver era tudo que ela em geral fazia para dissipar o medo.
Até que um dia um corpo com evidências de afogamento aparece em sua sala, e após a autópsia é concluído que a causa do morte não foi por afogamento e sim assassinato; logo,  o rosto do jovem é colocado em todos os jornais, e Livia descobre que ele e Nicole não só se conheciam muito bem, como o desaparecimento do rapaz coincide com a fatídica data em que Nicole sumiu sem deixar vestígios.

E é ai que Livia começa a caçar pistas para tentar encontrar sua irmã, viva ou morta e colocar um ponto final no pesadelo que ela e sua familia vivem, mas que ninguém parece se importar.

O livro é divido em seis partes, que são mesclados no passado onde contam a histórias de Nicole e Megan antes do sequestro, os descobrimentos de Lívia no presente e há capítulos que acompanhamos a rotina do serial killer e suas vitimas, pois sim, existem outras garotas desaparecidas, até mesmo há anos, que estão nas mãos do mesmo sequestrador.

Eu devorei esse livro, e só não o trouxe aqui antes devido a falta de tempo para poder transpor tudo que eu senti lendo-o, eu amei cada palavra, cada capitulo dele. O autor narra com maestria os momentos em que Lívia está em serviço mexendo nos corpos, o que mostrou que o autor tem até uma certa familiaridade com o assunto ou pesquisou muito sobre o tema. Eu amei a Lívia, ela é uma mulher forte, inteligente, astuta e por mais que não seja de demonstrar seus sentimentos, ela lutou bravamente durante todo o livro, para encontrar a Nicole, fora toda a construção do personagem com sua profissão que foram extraordinárias.

A Megan tem uma participação mais passiva no livro, devido a um motivo considerável: ela ficou a maior parte do tempo do cativeiro dopada por uma substância quase letal chamada Cetamina, e ela passa por sessões de hipnose para tentar relembrar exatamente o que aconteceu e até mesmo como conseguiu escapar, e é quando outros corpos surgem com a mesma substância encontrada em Megan, que Lívia começa a ligar os pontos e compreender que as coisas podem se tornar maiores e piores do que ela imaginava.
As fotos, Livia esperava, transportaram-no para a mente do homem que levara aquelas garotas. O homem que talvez tivesse levado sua irmã. O monstro que continuava por ai, quem sabe tramando o sequestro de outras jovens. Que possivelmente enterrara muitas outras, cujos corpos se achavam à espera de serem descobertos por outros praticantes de jogging e seus cachorros.
Eu achei a psicologia do assassino em questão um tanto curiosa, ele obviamente é um serial killer e isso não é um segredo no livro, mas eu fiquei na dúvida se ele é exatamente um psicopata ou um psicótico (ou os dois). Devido a ele ser extremamente intenso, e se mostrar dentro da sua mente doentia, apaixonado pelas garotas que ele prendia. No livro por várias vezes, foi falado que ele só queria ser amado e como ele não conseguia da forma normal, ele aprisionava as meninas na vão esperança que elas se apaixonassem por ele. 
Em seguida, amarrou-a no lado oposto do recinto, para que pudesse consertar a cama em paz sem medo de ser atacado. Por fim, o pior de tudo: ele a puniu. Era o que mais odiava fazer.
Mas uma coisa é certa, o cara é definidamente um monstro, cruel e sádico. A identidade do assassino, foi escondida até as partes finais do livro, e até um certo ponto eu não desconfiei de quem fosse o culpado, e achei bem satisfatória a revelação, mas como eu gosto muito do tema, senti falta de ter um desenvolvimento dos motivos que fizeram o personagem trilhar o caminho que ele escolheu, para concluir com o fechamento de sua participação no livro, mas isso não reduziu de forma alguma na minha satisfação com a obra do autor.
Ele foi até a parede oposta da janela e apontou a lata para o concreto. Com tinta preta, pintou um grande "X" ao lado de um "X"anterior, cujas linhas pretas grossas tinham escorrido pelo concreto cinza, secando em lágrimas congeladas de tinta.
Em relação à diagramação, temos aqui um formato mais sombrio e sóbrio criado pela Faro Editorial, as páginas são grossas e amareladas, as letras de um tamanho médio, a revisão e a edição do livro como sempre estão ótimas.



A narrativa do Charlie é bastante simples, o livro é fácil de ser interpretado, pontos que também devem ser dados ao tradutor do livro. Mas a forma como autor construiu os cenários fez com a evolução do livro, fosse gradual, porém dinâmica, e eu me vi presa querendo loucamente saber o que ia acontecer e eu torci muito pela Lívia e até mesmo pela Nicole, por mais insuportável que o personagem fosse, pois não pensem que por ela estar desaparecida vocês irão sentir empatia por ela a todo o momento, porque não vão.

O tema principal da trama foi muito bem abordado, que foi o desaparecimento misterioso de jovens, algo que acontece e muito até hoje no mundo inteiro, e tantas e tantas vezes sem resolução ou em sua grande maioria infelizmente com finais tristes. E dói muito saber que o que as vitimas do livro sofreram, acontece no mundo real, com mulheres, adolescentes e crianças, até mesmo em maior proporção, e fica no ar a questão de até quando ainda seremos vitimas de seres humanos que se acham no direito de brincar com a vida de pessoas inocentes.

Até a próxima.



Resenha #451 - O Enterro dos Ossos - Renata Maggessi

Cedido em parceria com a autora.

Título: O Enterro dos Ossos
Autor(a): Renata Maggessi
Editora:  Coerência
Páginas: 300
Nota: 4/5  
+ 18 anos

Olá, tudo bem com vocês?

Hoje vou falar um pouco sobre o TOC: TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.

O TOC pode se manisfestar de diversas maneiras e em diversos graus em cada pessoa, seja com problemas com coisas fora de lugar, cisma com cores, um quadro torto, erros de português, lavar as mãos o tempo todo e por ai vai.

A pessoa que tem TOC geralmente se sente incomodada com a situação e muitos vêem esse tipo de compulsão como organização excessiva ou manias, mas dependendo do grau, isto se torna uma doença psicológica.

Agora e se associarmos o TOC a psicopatia? 
O grande medo que sentia era de estar na frente de um novo serial killer.
Em O Enterros dos Ossos, primeiro livro da autora Renata Maggessitestemunhamos os crimes de um assassino criterioso, suas vitimas são mulheres que não são simétricas.

Um seio ou um olho menor que o outro, uma marca de nascença que não tenha nos dois punhos, ou até mesmo uma tatuagem incomoda esse assassino a ponto de fazê-lo caçar. É claro que o que mais existe são vítimas para esse homem, visto é muito difícil ser 100% simétrico, causando um caos na cidade do Rio de Janeiro e o serial killer fica conhecido como Tatuador.
Por ser bastante meticuloso com mulheres socialmente bonitas, ele "consertava" seus defeitos.
Não é um mistério para o leitor a identidade do assassino, ele tem um nome, um endereço, suas características são narradas, e muitas vezes acompanhamos sua vida, e como ele escolhe, captura, tortura, estupra e mata suas vitimas.
Com o bisturi, ele abriu os dois seios dela, retirou as glândulas mamárias e pôs as próteses. Em seguida, costurou os seios.- Agora, sim, você está perfeitamente simétrica. - ao dizer isso, ele deitou-se sobre ela e a estuprou.
Vemos o desenrolar desta estória através do personagem principal - Benjamim. Um jovem advogado que sonha em se tornar delegado e que acaba presenciado de perto o ódio deste assassino e paralelo aos crimes também acompanhamos acontecimentos que ocorrem na vida de Ben.

O primeiro acontecimento ocorreu há oito anos atrás, quando junto com seus amigos, Benjamim encontra o corpo de uma jovem na praia e o policial que foi acionado é Hugo. Só que nenhum dos dois sabem que são pai e filho.

Dai em diante Hugo descobre a verdade e tenta se aproximar de Benjamim, e no tempo presente, a mãe de Benjamim – Luíza, tenta reaproximar pai e filho, só que ele está irredutível mesmo sabendo que o pai não sabia da sua existência, sendo assim, ele conhece o Hugo como o novo namorado de Luíza.

Porém, quando um amor do passado de Ben – Luana, volta de uma forma peculiar e seu passado é envolto em mistérios, Hugo e ele acabam se aproximando, pois Luana desaparece e sua vida pode estar interligada ao Tatuador.

Também acompanhamos a vida de Diana, enteada de Hugo que namora o irmão gêmeo do psicopata. Só que em certos momentos não sabemos mais com quem Diana está, o gêmeo do bem ou gêmeo do mal.

Confesso que eu não gostei do Benjamim, ele é imaturo, chato e tão irritante, que só melhora porque até os personagens do livro perdem a paciência com ele (sim, isso aconteceu), depois disso ele tem uma evolução, mas sinceramente achei que para um protagonista ele foi um tanto fraco.

Em contrapartida, eu gostei muito do perfil psicológico do assassino e a trama da Renata, são como linhas interligadas, que são apresentados por diversos personagens e a pegada desse livro é muito além da captura do assassino, ele é um quebra cabeças, que temos que encaixar para entender o porquê ele é assim, o porquê que todas essas pessoas são indiretamente ou diretamente ligadas a ele e como podem escapar das mãos ardilosas e simétricas desse serial killer, e a cada página vamos descobrindo coisas de revirar o estômago.


Vestiu uma roupa casual e foi para um barzinho, atrás de uma garota bonita, porém, com alguma "deformidade".
O texto da autora é bastante fluido, ocorrem diversos acontecimentos no decorrer da narrativa, e a ação é pertinente o tempo inteiro, a ponto de estarmos já praticamente no final do livro com a sensação de que nunca encontraremos a saída desse labirinto.

Alguns se salvaram, mas outros não.

A leitura deste livro foi em formato e-book, cedido em parceria com a autora. O lançamento oficial do livro será no dia 14 de julho, e o livro terá morada na Editora Coerência.

Espero que gostem e até a próxima!


Resenha #450 - Quando as Estrelas Caem - Amie Kaufman & Meagan Spooner


Título: Quando as Estrelas Caem
Estrela Caem #1
Autor(a): Amie Kaufman & MeaganSpooner
Editora: Novo Conceito
Páginas: 416
Nota: 5/5
Eu daria qualquer coisa para ter uma noite relaxada e descontraída brincando e contando piadas com meu pelotão, em vez de ficar aqui preso, neste simulacro (representação, imitação) de cenas de um romance histórico. (Tarver)
Olá pessoas, tudo bem?

Eu fiquei super curiosa com este livro desde o seu lançamento. Eu fiquei completamente apaixonada por esta capa. Ela representa bem o estilo de livro que amo ler. Distopia com ficção científica. Óbvio que neste livro, temos mais fatos distópicos. Mas a simples mesclagem de ficção que tem por aqui, me deixou completamente satisfeita com o mundo criado pelas autoras.

Lilac é uma garota mimada e que acha que o mundo existe apenas para servi-la. Ela é a menina mais rica da galáxia e seu pai é famoso e muito poderoso. Ele é bem conhecido pelo excesso de proteção que tem a sua filha.

Tarver é um garoto de 18 anos, mas que já ocupa um posto de Major, devido a sua honraria de herói. Ele é um rapaz simples. E que sabe de seu lugar. Por mais medalhas que carregue no peito e pela fama de herói, ele não desfruta de tudo que esta fama poderia lhe dar. Com isso ele vai seguindo a sua vida e fazendo o que sabe fazer de melhor. Proteger as pessoas.
A falsidade dessas pessoas é venenosa. Sou um pouco mais do que um cachorro andando sobre duas patas aqui... Elas sabem disso, e eu também, mas elas não têm a capacidade de deixar passar a oportunidade de serem vistas com um herói  de guerra real e vivo. (Tarver)
Eles estão a bordo da Nave Icarus, que comporta cerca de 50 mil pessoas. Tudo que Tarver queria, era estar junto ao seu pelotão e não no meio daquele salão encenando cara de felicidade completa, diante de todas aquelas pessoas, que ele considerava hipócritas. A parte que ele mais detestava eram as fotos.

Depois de muito lutar, Lilac conseguiu que seu pai a deixasse viajar sozinha. Apesar de estar acompanhada de  uma escolta feminina e que são suas amigar também, ela se sente um pouco livre, para fazer o que quiser, mesmo sabendo que está sendo vigiada por elas.

Mas algo muito ruim acontece, a nave cai, ela se desfaz, fazendo com que Tarver e Lilac fiquem perdidos em um planeta aparentemente hostil e parecem que foram os únicos sobreviventes. 
A dor nos meus ombros é lancinante, e sinto o gosto do sangue quanto mordo a ponta da língua, porém não estou mais caindo. Bati em outra amurada, o corrimão segura os meus braços. Eu não tenho fôlego, não tenho força. A multidão irrompe, passando por mim, sem me dar nenhuma atenção. (Lilac)
Lilac não tem muita esperança de que conseguirá voltar para casa. Ela quer rever seu pai, e quer acreditar que outras pessoas sobreviveram. Tarver já se preocupa com a sobrevivência  de ambos, querendo fazer com eles fiquem a salvos, já que ele não faz a menor ideia do que esperar naquele lugar. Ele é bem mais realista devido a seu treinamento. E o fato de Lilac ser mimada demais, tem feito com que ele se irrite muito facilmente. 

Eles são completamente oposto um do outro. Mas o instinto de sobrevivência pode mudar as pessoas. E juntos eles vão superar tudo isso e a coragem e lealdade que ambos vão tendo um com o outro, vao ajudá-los a superar qualquer dúvida que ambos tinham.

Tarver é mais prático e vive com os pés no chão. O seu controle mental é forte, pois encarar os chiliques de Lilac, não é para qualquer um não. Mas eu entendi as reações dela. Afinal, ser criada com uma princesa, com tudo nas mãos e de repente estar em um lugar desconhecido. Sem saber o que vai acontecer e se um dia voltará para casa, não é nada fácil.

Eu me conectei com os dois imediatamente e senti empatia por eles. Pois cada um tinha seu trauma e sua perda. Cada um tinha um segredo dentro de si, que os movia a continuar, mas que também os assombravam. 

Na verdade eu amei o livro desde as primeiras páginas. As autoras conseguiram me conquistar imediatamente. E conforme a leitura seguia, mais ávida a continuar eu queria. E neste caso, foi ótimo me interessar pelo livro apenas pela capa, não cheguei nem ler a sinopse, então acredito que os acontecimentos que se sucederam durante a leitura, foi uma surpresa muito boa. 

Eu gostei muito da ambientação. De como as autoras constituíram a personalidade de cada um dos personagens. Eu gostei muito do amadurecimento e crescimento de Lilac. Teve momentos em que me vi torcendo por ela e querendo ajudá-la em algumas situações difíceis. Ela foi muito corajosa e se mostrou completamente necessária para ajudar Tarver em alguns momentos de infortúnio. Por mais cruel que uma situação parecia, ela se mostrou forte, mesmo que se sentisse com medo e insegura.

Tarver era muito cético. Devido ao seu treinamento, ele lutava bem para mantê-los seguros e vivos. Mas Lilac não parecia muito bem e ele por mais que tivesse evidências de que ela não parecia louca. Ele não conseguia acreditar. Isso a magoava muito, mas eles tinha que seguir em frente, para conseguir chegar em algum lugar, para ver se conseguiam algo para voltar para casa.

A história fluiu muito bem. Eu li este livro bem rapidamente. Na verdade, nos momentos em que eu tinha que parar, eu não parava de pensar no que poderia acontecer. Com a história narrada em primeira pessoa, intercalada entre Tarver e Lilac, podemos conhecer eles por dentro e sentir seus medos e anseios. O sentimento entre eles foi inevitável. Pela sinopse já dá para perceber, mas não encontramos aqui nada meloso. O romance acontece, mas de um jeito que você lê e deseja que tudo fique bem, mesmo que todos os avanços que eles tem, demonstre o contrário.


A diagramação o livro é bem simples. As folhas são amareladas, uma grossura média, mas que deixa o livro bem leve. A fonte de tamanho médio, completamente confortável para a leitura, que é de fácil entendimento. Não me recordo de ter encontrado algum erro de revisão. Gostei da tradução da Ana Death Duarte, ela foi bem criteriosa e foi bem astuta nas escolhas até das palavras dificieis rs. 

Teve uma hora que quase surtei, sério. Tive um misto de sentimentos e eu quase enlouqueci em alguns momentos. Eu gostei muito de como a história foi finalizada. Nada ficou aberto, mas um gancho bem simples, ficou para a continuação. Então o que posso dizer é que recomendo muito a leitura e já não vejo a hora da editora trazer o próximo livro.  
Ela não está olhando para mim  e vendo um cara criado no lado errado do planeta. Ela não está vendo um soldado, nem um herói de guerra, nem um rústico sem cultura que não entende quão difícil isso é para ela, nem um idiota  que não sabe o que é certo.
Ela apenas me vê. (Tarver)
Um xero!!!