Resenha #396 - Casa das Fúrias - Madeleine Roux


Título: Casa das Fúrias #1
Autor(a): Madeleine Roux
Editora: Plataforma 21
Páginas: 352
Nota: 5/5

-Onde é esse lugar? - perguntei, atingida pelo cheiro do açougue e pelo gosto azedo de carne fresca sendo estripada lá dentro.
-No norte. Casa Coldthistle é como chamam. É um lugar para pensionistas, minha garota, e para os errantes e perdidos.
Olá pessoas, tudo bem?

Assim que vi esta capa me interessei na hora pelo livro. Sim eu sou a louca das capas. Mas fui ler o lado de trás e me apaixonei pela parte que falou de romance gótico. Eu amo. Não li  muitos, porque nem conheço, o único que li, foi a trilogia que se tornou quadrilogia Dezesseis Luas e gostei muito. 

Minhas expectativas com este livro estava moderada, caminhando para alta, mas me contive. Só que quando comecei a ler, simplesmente me encantei e não consegui mais parar. Eu fiquei completamente atraída pelo o universo criado por Roux e preciso ler mais coisas desta mulher. Depois de ler, é que fui perceber, que ela já tinha outros livros lançados, como eu fui leiga em não perceber isso que estava bem na capa, enfim rs.

Louisa Ditton, era uma menina sozinha e não tinha nenhum lugar para onde ir.  Ela estava com medo. Pois acabara de escapar de um internato inglês terrível. Ela não aguentava mais os castigos dolorosos que passava e as repressões. Louisa, não aguentava mais ficar nas ruas, tendo que se virar com migalhas para sobreviver, mas também não queria mais ficar presa, onde ela não poderia viver com a sua liberdade. 

Mas na situação em que estava, não dava mais pra viver de fugas, pequenos furtos e sozinha pelo relento. Foi ai que ela conheceu uma senhora que lhe ofereceu um emprego em uma hospedagem e para Louisa, aquilo pareceu interessante, pois teria um lugar para dormir, comer e ainda estaria segura.
-Estou acordada! Só um momento! - gritei, esforçando-me para ficar apresentável e tirar a remela dos olhos. Fazia muito tempo, tempo demais, que eu não dormia tão bem.
Assim que chega casa, Louisa percebe coisas estranhas, principalmente no que diz a respeito o misterioso dono do lugar. O Sr. Morningside proporciona aos hóspedes uma forma peculiar de não ser um simples lugar para dormir, mas o temido descanso eterno. Ele e sua criadagem tem uma espécie de tribunal sombrio, onde executam a sua justiça obscura àqueles que vivem impunes e Louisa é convidada a fazer parte deste grupo ainda mesmo contra sua vontade.
A canção encheu minha mente de pensamentos turbulentos e minhas mãos tremeram, quase apagando a chama. Que língua estranha era essa na minha cabeça? Gutural e afiada, e ao mesmo tempo sinistra e sedutora...
Mas as coisas podem fugir de nosso controle e com isso a jovem começa a temer pela vida do único amigo que ela considera: Lee. Que é um mistério pra ela, mas que com o tempo vai pegando uma amizade que até ela desconfia de como foi natural acontecer. Ainda mais nesta época que era estranho uma mulher ser amiga de um homem. Lee está hospedado em Coldthistle, mas ele não é como os demais hóspedes. Ele é gentil. Tem um sorriso terno. E com isso Louisa, sente, que ele é diferente e tem que livrá-lo deste julgamento. Só que ela não sabe como fazer isso. Já que nesta casa de mentiras, como ela pode saber com exatidão quem carrega a verdade?
E ali ao seu lado, confesso que eu me sentia mais segura. Ali, pelo menos, havia um elemento neutro. Eu estava marcada para ficar, ele estava marcado para morrer, mas, enquanto continuássemos vivos, eu lutaria contra esses destinos.
Eu amei este livro sério. Jamais maginei que fosse gostar tanto e quanto mais eu lia, mais eu queria saber o que iria acontecer. Pois Roux consegue mexer com nosso imaginário e desconfiar e indagar coisas, que jamais imaginávamos, pelo menos aconteceu comigo. Eu me senti muito Louisa, talvez se vivesse a vida que ela vivia nesta história, agiria como ela. E olha que eu a achei extremamente corajosa. Porque viver no século XIX, sendo menina e nas ruas, não é fácil e ela por ser uma fugitiva e viver por si, tomou atitudes que me fizeram pensar e acreditar que não dá pra ser egoísta sempre. (o egoísta de forma positiva, porque ela vivia sozinha e passou a pensar só em si.) 

Eu gosto muito desta personagem que Roux criou, ela é dona de si, é corajosa, mesmo se sentindo insegura e com medo. Enfrenta o Sr. Morningside como ninguém e eu particularmente amava os diálogos deles. Sempre trocando farpas. Mesmo com medo, ela estava de cabeça erguida e ele a desafiando para saber até onde ela iria. 

Eu achei a ambientação da história bem desenvolvida, ainda que tudo acontecesse mais na hospedagem, os momentos em que passou fora dela, foram bem detalhados sem ser cansativo. Deu para sentir como se estivesse lá e vendo pessoalmente cada lugar, como se presenciasse tudo pessoalmente e não apenas lendo algo, sabe? 

Lee é um rapaz super alto astral, que gostou de Louisa no primeiro momento em que a viu, talvez por não ter tanta convivência com pessoas de sua idade, ele sentiu empatia por ela instantaneamente e mesmo desconfiada desta aproximação, Louisa deu o braço a torcer e deixou que ele entrasse um pouquinho de cada vez em sua vida. A situação chegou a um ponto, que ela queria protegê-lo e defendê-lo a qualquer custo. E essas reações e sentimentos, foi bem interessante de ler e vivenciar.  

Como o livro é narrado em primeira pessoa, dá pra você se aproximar de Louisa a cada página lida. Sentir seus medos e anseios e também se admirar com sua bravura e ousadia. Porque ela é uma mocinha nada convencional rs. Mais uma pra minha listinha de mocinhas empoderadas de 2017.


A diagramação do livro é simples e linda ao mesmo tempo. Percebe-se que a editora teve um cuidado especial para deixar o leitor mais atraído por essa leitura. A capa é uma beleza a parte. O desenho interno da casa e a Louisa desenhada, deixa sua imaginação rolar solta. Por dentro cada capítulo começa com um desenho em círculo e uns arabescos, com forma de espelho. E tinha algumas páginas que trazia desenhos de quadros bem sombrios e misteriosos, trazendo até um arrepio na pele. 

Eu curti demais este romance. Dá um frio na barriga em certos momentos. Eu senti um pouco de medo, mas nada assustador que te deixa sem dormir. Senti um pouco de horror, mas nada tão profundo, mas eu fiquei anestesiada com o final que eu não esperava e que foi muito pertinente, triste, sombrio, mas perfeito! Agora é esperar a sequência com muita ansiedade.
Sua proximidade fez minha pele se arrepiar e, no entanto, eu não conseguia me mover; sua órbita era tão repulsiva quanto irresistível. Eu o odiava, e queria que ele falasse mais. Revelasse mais. Como ele poderia ter tanto poder sobre as pessoas? Como poderia saber de livros, de maldições e de um extraterreno que se movia feito uma sombra perversa sob o nosso mundo?

3 comentários

  1. Oi, Di!
    Menina, também sou as loucas das capas! E eu acho as capas dessa autora maravilhosas.
    Não sabia que a história se passava no século XIX. Já tem ponto positivo comigo.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do Natal Literário e ganhe prêmios maravilhosos

    ResponderExcluir
  2. Oi Diana
    Fiquei mega interessada neste livro, adorei o enredo e pelos teus comentários parece ser muito bom. Quero ler.

    Beijinhos
    https://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oiii Di

    Adorei essa protaognista não convencional. Da Madeleinde Roux tenho pendente a trilogia Asylum e depois quando finalmente conferir essa quero ler Casa das Fúrias.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir

Bem vindo ao blog Minhas Escrituras...
Fique a vontade para comentar aqui a sua opinião pessoal, sempre com respeito é claro!!! ;)
Você pode deixar o link de seu blog, que faço a retribuição com o maior prazer, mas não retribuo em postagens de promoção, ou seja, não comento.
Mensagem pra pedir que siga o blog, são automaticamente deletadas. Comenta no blog e deixa o link,farei uma visita no seu ok.
Quero agradecer a vocês que passam por aqui e deixam suas marquinhas, isso é muito importante... sintam-se a vontade...
Xero!