Resenha # 253 - Casei com um Massai - Corinne Hofmann

Obra adquirida pelo resenhista

Olá, à todos, hoje teremos a resenha de uma pessoa muito querida para mim, Roberto Tibiriçá. Espero que possam se apaixonar por essa história tanto quanto eu apenas lendo essa resenha incrível.

Título: Casei com um Massai
Título original (alemão): Die Weisse Massai
Autora: Corinne Hofmann
Editora: Bertrand
Formato: Livro
Classificação: 5,0

Gosto muito de livros baseados em fatos reais e experiências próprias. Gosto ainda mais quando o livro aborda assuntos não tradicionais e trata de um tema diferente do nosso dia-a-dia. Assim, quando deparei com “Casei com um Massai” numa livraria, foi impossível não adquiri-lo.

A história começa quando um casal de namorados suíços, Corinne e Marco, resolve passar férias em um resort no Quênia. O início da viagem é um lugar-comum deste tipo de relato: a surpresa dos europeus com o exotismo local, com a confusão entrópica reinante no país, com os habitantes da terra.

A partir de um encontro fortuito com um massai chamado Lketinga, tudo se transforma e torna um rumo totalmente inesperado. Só de olhar para o massai, Corinne apaixona-se por ele. Uma paixão repentina e forte que não tem qualquer explicação.

As férias acabam, assim como o namoro entre Corinne e Marco que voltam à Suíça, agora como amigos. E, mal chegados à casa, Corinne começa a fazer planos para voltar ao Quênia e procurar Lketinga.

Seis meses depois, ela está de volta à Mombaça, acompanhada de uma amiga de um irmão. Corinne reencontra Lketinga e, em tempo record, passam a viver juntos numa aldeia próxima ao resort, na casa de uma amiga chamada Priscilla.

Corinne fala um inglês sofrível; Lketinga, nem isso, por isso a comunicação entre os dois é sofrível a princípio. As condições de vida numa habitação massai são extremamente frugais, para dizer o mínimo: não há banheiro, não há água corrente, não há colchão, não há energia eléctrica, não há fogão e a lista do “não há” segue interminável. Além disso, tem a diferença cultural enorme: os massais são um povo guerreiro e pouco trabalham no sentido que nós entendemos o trabalho; a igualdade de género não existe; a mulher não tem direitos; muitas coisas que são parte do cotidiano ocidental são desconhecidas dos massais; e por aí vai. Apesar de tudo, Corinne segue apaixonada, como que encantada, e decide ficar no Quênia vivendo com Lketinga quando seu irmão e sua amiga voltam para a Suíça.

Depois de um tempo no Quênia, Corinne regressa à Suíça para vender suas coisas e mudar-se em definitivo para a África. Durante a estada de três meses na Suíça, Corinne escreve cartas a Lketinga; porém, como ele não sabe ler, as cartas são desviadas. Sem notícias de Corinne, Lketinga decide voltar para sua aldeia no interior do Quênia e, quando volta, Corinne já não o encontra.

Vai encontrar porém Priscilla e uma outra amiga europeia e aos poucos vai, mais e mais, conhecendo e vivendo os costumes e forma de vida locais, que Corinne descreve de maneira intrigante e absorvente.

Depois de uma busca atribulada e muitas peripécias, Corinne encontra Lketinga e, desta vez, para viverem juntos “para sempre”. A diferença de percepção de vida entre Corinne e Lketinga, da forma de encarar o mundo é patente e fascinante a cada página do livro. É difícil acreditar que uma pessoa criada na asséptica, calma, organizada e fria Suíça tenha passado por todas estas situações por vontade própria.

A história segue com a saga do casal, a filha que tiveram, a malária que acometeu Corinne, os negócios que montaram. Mais detalhes não dou para não estragar a surpresa de quem deseja ler o livro. A história é cativante, interessante e cheia de emoções. Difícil deixar o livro de lado antes de ver o fim.

A 1a. edição do livro foi em Novembro de 2008. A edição em causa foi reimpressa em 2014. Com 445 páginas, tem o formato de um pocket book, 11cm X 17cm X 2cm, o que facilita a leitura na cama. A tradução está bem feita, bem escrita e sem erros. É um livro em paperback, com a qualidade típica deste tipo de impressão.


E essa obra tem continuação: África, Paixão da Minha Vida conta a história de Napiri a filha de Corinne e Lketinga e sua busca por suas raízes.

A autora: Corinne Hofmann é uma empresária suíça, filha de mãe francesa e pai alemão, que entre os 27 e os 31 anos viveu no Quénia com o seu marido massai. Aos 43 anos publicou o primeiro livro, Casei com um Massai, que se encontra há oito anos na lista dos mais vendidos da revista alemã Spiegel e foi traduzido para inúmeras línguas. Corinne publicou posteriormente mais dois títulos autobiográficos e, embora se tenha entretanto separado do marido, continua a apoiá-lo financeiramente como antes.


Para quem indico? Para pessoas que gostam de romance e histórias baseadas em fatos reais.

Para quem não indico? Para quem não está interessado em conhecer novas culturas e novas formas de se viver a vida.

Pessoal, gostaram? Deixem seus comentários, se já leram essa obra e o que acharam dela, etc.

Resenhista: Roberto Tibiriçá

12 comentários

  1. Oi Roberto, tudo bem?
    Chegou chegando ein... fiquei super feliz com sua resenha... você escreve tão bem... sabe colocar as palavras e nos cativa com os seus comentários... eu não tinha conhecimento desse livro e confesso que a minha curiosidade foi contagiada pela leitura dele... é algo totalmente fora do que estou acostumada a ler... mas acho sempre bom as vezes fugirmos do que estamos acostumados para conhecer coisas novas e outras formas de escrita... parabéns e obrigada por deixar sua marca por aqui... é uma honra... Xero!

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Que bacana esse livro! Fiquei mega curiosa pois também adoro livros que se passam em locais diferentes e tratam sobre novas culturas. Fiquei tentando imaginar como foi a adaptação da moça em uma nova terra. Adorei!
    Bjs

    EntreLinhas Fantásticas - ÚLTIMA SEMANA! MEGA SORTEIO DE ANIVERSÁRIO! LANÇAMENTO STEPHEN KING + TIMOTHY ZAHN E RENATA VENTURA AUTOGRAFADOS!

    ResponderExcluir
  3. Além do gosto pela leitura, temos outra coisa em comum: eu também Gosto muito de livros baseados em fatos reais e experiências próprias. Gosto ainda mais quando o livro aborda assuntos não tradicionais e trata de um tema diferente do nosso dia-a-dia. Por isso, acredito que também vou adorar essa obra. Grato pela dica.

    Abçs

    ResponderExcluir
  4. Oi!
    Bem-vindo!!
    Adorei seu texto e a escolha do livro foi ótima! Concordo com vc: quem diria que alguém que nasceu e viveu na limpa e organizada Suíça iria se mudar de mala e cuia pro Quênia/África?? Mas, amor, né, é uma coisa louca... eu já fui p SP... Pq n o Quênia? Adorei o livro escolhido e o texto! E vou aproveitar e fazer propaganda básica: acho que meu livro faz seu estilo! Procure "Pérolas da minha surdez" ;)

    ResponderExcluir
  5. Oi Roberto!
    Eu também gosto muito de livros baseados em fatos reais e em experiências do autor. Achei essa história muito maluca, imagino o tamanho da paixão desses dois, especialmente da Corinne para largar tudo o que tem, todo o mundo que conhece, para viver em um país estranho e até mesmo hostil com as mulheres. Adoraria ler!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Oi Roberto!
    Caraca que história maluca hahahhahaha, e por ser baseada em fatos reais se torna mais complexo ainda. Imagina? Ir viajar com o namorado e voltar solteira porque ele se apaixonou por outra só com o olhar? E a loucura de largar tudo por algo e alguém desconhecido? Realmente incrível.
    Sua resenha esta perfeita, ela e o enredo me deixaram mega curiosa, mesmo sabendo o fim, é óbvio que os meios para ele são o que alimenta minha curiosidade!!
    Sensacional.
    Beijokas

    ResponderExcluir
  7. Oie, tudo bem?

    que história interessante, gostei de conhecer um romance baseado em fatos reais, amo histórias reais, biografias e autobiografias.

    Vou conferir a publicação. Obrigada pela dica.

    Bel Góes

    ResponderExcluir
  8. Oi Roberto e Di, tudo bem com vocês?
    Eu fiquei impressionada com essa história, essa é a maior prova de que o amor supera qualquer barreira!!! Não é qualquer pessoas que largaria tudo como ela fez e viveria nas condições em que ela passou a viver só por causa dele. Isso diz muito sobre quem ela é!! Não tenho o costume de ler livros desse gênero, mas depois da sua resenha, e dessa história incrível, não tem como resistir!!! Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.

    ResponderExcluir
  9. Olá, não conhecia a obra e achei bem interessante o enredo. Algo completamente diferente doe tudo o que li até hoje. Adorei a resenha!

    Abraços

    ResponderExcluir
  10. Oi Dih sua linda, que livro legal, adoro quando livros contam histórias reais e com outras culturas, já que não posso sair viajando por ai, nada melhor que o passaporte livro, certo?
    Gostei de saber que terá continuação para podermos conhecer um pouco mais da família e continuar viajando por ai.
    Beijocas!!

    ResponderExcluir
  11. Sem dúvidas, livros que falam sobre histórias reais sempre têm um peso a mais, né? Eu não conhecia o livro e nem mesmo a autora e, confesso, não sabia muito sobre os Massais. Além de ter adorado a resenha, adorei a oportunidade de pesquisar mais sobre eles e me admirar com o quão ricos são os seus costumes.

    É a minha primeira vez por aqui, estou seguindo pra saber sempre o que tá rolando por aqui!
    Adoraria receber a visita de vocês e, se gostarem, adoraria que nos seguisse.

    Beijos!
    Fabi Carvalhais
    Pausa Para Pitacos | Participe do TOP COMENTARISTA | Promoção PQ SIM!

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bem?
    Adorei a resenha, mas acho que não seria um livro que eu leria :P
    Acho super bacana e tudo o mais, conhecer novas culturas e tal e foi legal da moça ter se aventurado por um mundo tão desconhecido. Mas só de ler "não há igualdade de gênero" minhas mãos coçam :( Tenho certeza de que não seria capaz de entender a atitude da autora , então não leria :p
    Beijooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Bem vindo ao blog Minhas Escrituras...
Fique a vontade para comentar aqui a sua opinião pessoal, sempre com respeito é claro!!! ;)
Você pode deixar o link de seu blog, que faço a retribuição com o maior prazer, mas não retribuo em postagens de promoção, ou seja, não comento.
Mensagem pra pedir que siga o blog, são automaticamente deletadas. Comenta no blog e deixa o link,farei uma visita no seu ok.
Quero agradecer a vocês que passam por aqui e deixam suas marquinhas, isso é muito importante... sintam-se a vontade...
Xero!