Contos #9 - Meu Querido e Doce “Diário” – Gabriel Campos

Oi Galera, tudo bem!
Hoje eu venho com mais um conto vencedor da semana e o tema foi diários, e vou publicar esse agora no dia certo rsrs. Esse lance de ficar doente e sem internet, me deixou um pouco estressada, mas enfim vai passar. Obrigada sempre a todos que passam por aqui e também os que deixam comentários. 


Gabriel Campos 
Meu Querido e Doce "Diário"

Preste muita atenção no que eu vou dizer, não é um conto qualquer que vou te contar, nem uma memória marcante, mas é algo que o coração me deu armazenamento para guardar, como uma caixa velha de baú. 
Eu.Melanie Dorchester. Fui criada por pais adotivos, nunca conheci o verdadeiro laço materno que alguém pode conhecer, como pais dando conselhos para seus filhos, e os filhos sendo aconselhados por seus pais. Geralmente, meus dois irmãos, me gozam, como “sua nerd”, ou algo do tipo. Sei que para você parece normal os mais novos ser criticado com ofensas bobas, porém, comigo era diferente, queriam me humilhar diante dos meus pais, só porque eu era adotiva? Tem algo surreal nisso? Ou não é para tanto? Uma das questões que mais dominava meu pensamento era este, portanto, preste atenção na única coisa que me servia nos momentos mais precisos, em que a escrita, o lápis, e a imaginação me tornava um ser feliz, mesmo eu, uma adotiva, com dificuldades para ler e escrever, sonhava em ser escritura, tornar-se famosa, não aquelas que só querem o lucro e o dinheiro, mas ser algo em que eu sempre sonhei. 

Um diário e um lápis fazem-me feliz mais do que qualquer pessoa, veja bem.

❥❥❥❥❥❥❥❥❥❥❥

12 de Dezembro de 2013.
Querido diário, posso ter inúmeras palavras para ser exposta aqui, mas opto por escrever da maneira mais fácil, como um verso de uma música, um sentido mais bem sentido, uma melodia mais tocante que coração pode sentir. Hoje é um dia especial para mim, o dia em que eu questiono a minha existência. Completei dezoito anos hoje, para mim é um desespero grande em me tornar de maior, mas sei que muitas novidades, estudos, amores .. Ah deixa pra lá, tá, eu sei que tive algumas quedas por um garoto no segundo ano do Ensino Médio, ele me traiu, é .. me traiu. Apesar de que sou negra, uso óculos de fundo de garrafa, como uns dizem, sou sonhadora como qualquer outra pessoa. De vez em quando olho pela janela e imagino um conto de fadas, mas logo que abro os olhos, vejo que nada se passou por uma ilusão idiota. Sou boba né? Pode me chamar disso, afinal já acostumei de me chamarem isso, mas espera só um pouquinho que vou te explicar o motivo de eu estar escrevendo justo nesse dia, o que quero realmente te passar, desculpe-me a empolgação, é que sou .. ansiosa.
Há um tempo atrás, quando tinha por volta dos cincos anos, não sei como lembro disso, mas é algo que gravou em minha mente, foi quando minha mãe me deu a primeira boneca, ela era branca, de vestidinho vermelho, com detalhes de flores. Ela era linda, como qualquer outra garota com a minha idade iria amar ganhar uma dessas. Entretanto, sempre fora completamente uma ingênua, que sonhava que o príncipe encantado iria buscar-me de cavalo, com aqueles cabelos loiros desajeitados, com aquele charme todo, bastaria ele dizer que iria casar comigo e eu iria, sem dúvida, era uma boba. Estou te explicando isso para você entender o que aconteceu comigo no mesmo ano em que fui enganada por um idiota e logo conheci a pessoa que eu nunca queria partisse. Michael. Era o nome dele, era um fofo, capacitado e sonhador da mesma forma que eu, já estava no terceiro ano, era tímido e quando dava aqueles sorrisos à distância no corredor da escola, meu mundo se estremecia em oitavas. Algo dizia que ele tinha vergonha de mim, passava a maioria dos intervalos com os que mandavam praticamente no colégio. Acho que era difícil ele dizer para mim naquela época que ele já sentia algo ou que gostasse de mim como amiga, mas nunca se aproximara desde então. Foi exatamente na aula de Literatura, o pessoal todo do Ensino Médio estava recebendo a palestra, e Michael se aproximou de mim...

❥❥❥❥❥❥❥❥❥❥❥


10 de Março de 2012 – “Começo” - O dia em que o conheci.

- Você se incomoda? – seu sorriso entreabriu.
- Não.
Por um momento ele ficou em silêncio, aguardando se alguém falasse algo e cortasse aquela timidez toda.
- Gosta de Literatura em partes? – perguntou ele, enquanto se sentava ao meu lado.
Meu Deus, como eu era mal educada, nem falei se ele podia sentar.
- Amo. E você?
- Ah .. É legal, mesmo eu não sendo um escritor ou um poeta, eu gosto às vezes de escrever , fazer aquela melação toda. 
- Melação? 
- Deixa pra lá. – resmungou sem jeito.
- Desculpe. É que eu não entendi mesmo.
- Está bem. Sou Michael, prazer. – ele estendeu a mão para mim e eu fiz o mesmo.
- Prazer. Sou Melanie. 
- Nome bonito. – disse.
- Não é para tanto, meu pai e minha mãe não tem bom gosto.
- Eu acho que tem sim. – ele sorriu e olhou novamente para frente, anotando alguma coisa da aula, mesmo ele não prestando atenção em mais nada. 
Não durou dois minutos e ele meneou a cabeça para mim e disse algo que desde o início, notei que ele era educado e carinhoso.
- Hoje é dia da mulher. Parabéns. 
- Ah.. Obrigada. – olhei para ele e senti vergonha na hora, afinal, eu era negra, e na minha mente, pessoas negras não eram bem-vindas nesse dia.

❥❥❥❥❥❥❥❥❥❥❥

O primeiro em dia que o conheci, fora curto, mas era o que bastava. Depois daquele dia, tudo foi se tornando algo magnífico para mim, Michael foi me ajudando nos deveres de casa, me convidou para sair no dia em que eu briguei com ele e depois disso tudo, ele me disse que me amava e que queria que eu fosse a garota mais feliz do mundo, no começo pensei que era mais uma bobagem, uma ilusão, mas aquilo foi me transformando, ele me transformou. Estávamos vivendo uma lua de mel como namorados, sem brigas, sem discussões e muito menos desentendimentos. Admito, eu estava ficando muito apaixonada, assim como ele estava também. Contaram-lhe que a felicidade não dura para sempre? Ou melhor, ela é feita por momentos e não pela vida toda e foi exatamente isso o sentido que ganhei sobre a felicidade, quando soube que Michael era um portador de câncer em fase terminal. O choque foi tremendo, os dias pareciam ficar mais curtos, a melancolia começava abranger, mas o que comumente eu fazia para ele, era olhou em seus olhos castanhos e dizer que amava-o independente do que iria acontecer, pois, o meu amor por ele era maior que tudo, uma melodia que toca no fundo da alma, com um verso sendo dito no silêncio incessante.


22 de Junho de 2012 – “O meio” - A realidade.
Havia se passado quatro meses desde o dia em que se conhecemos, estava preocupada com a dificuldade que ele estava passando pelo câncer. A doença estava matando-o inteiramente, desde o seu interior até o exterior. Vivemos poucas coisas, que para mim, viraram grandes coisas, como um amor à primeira vista. No entanto, sei que sou um pouco imbecil, admito, em pensar em príncipes e princesas, porém, eu apenas imagino e desejo o que sempre quis, o companheirismo, a dedicação e o carinho, são formas para provar o que realmente temos que seguir para viver em laço amoroso, quão seja a pessoa que iremos gostar ou desejamos.
Era fim de tarde, Michael e eu, estávamos andando a beira praia, com os pés afundados na areia ofuscante. O nosso assunto era falar do nosso futuro, que a sua doença iria ser abatida e que nada e nem ninguém no mundo iria nos atrapalhar, seríamos o fruto das nossas raízes.
- É estranho tudo isso, né? – disse com uma voz embargada.
- O quê?
- Você. Eu. Aqui – ele indicou o lugar onde estavam - É tudo tão novo para mim, não me entenda mal. É que, eu pensei que não acharia uma pessoa que me amaria e que ao mesmo tempo me entenderia. Uma pessoa com estado terminal de câncer e ainda assim, me amar desde a primeira vez.
- Não diga isso. Você sabe que você vai se recuperar, amor. – olhei em seus olhos miúdos.
- Eu espero que sim, mas.. – seu cenho se fechou e sabia o que ele estava pensando naquele exato momento – Tenho que ter dois caminhos, a esperança ou a realidade, não é?
- Claro. Eu, por exemplo, fico com a esperança. Michael e Melanie esperançosos. – sorri com a pequena cova da minha bochecha se abrir.
- Você é linda, sabia? – ele murmurou enquanto eu pegava um pouco de areia e deixava escorrer em minhas mãos.
- São os seus olhos. 
Ao mesmo tempo, vi dois pequenos fios de cabelos da sua cabeça cair na camiseta. Era triste vê-lo naquele estado, mas o que eu poderia fazer para mudar tudo aquilo? Se tivesse alguma solução .. Alguma maneira de eu curá-lo, tenho plena certeza que seria a primeira pessoa do mundo em querer aprender. Dói. Meu coração se parte.
❥❥❥❥❥❥❥❥❥❥❥

02 de Junho de 2012 – O fim.
Antes de mais nada, me pego pensando diversas e múltiplas vezes em como deveria escrever a sensação que sinto nesse dia, é uma mistura de fé alegria e tristeza. Não posso te fazer sentir o que sinto, mas vou tentar explicar exatamente o que quero lhe falar. Ele já estava no fim, suas últimas palavras foram adocicadas em minha boca, sei que elas nunca mais serão esquecidas, é algo inesquecível, algo que não posso esquecer tão facilmente.
- Poderia aplicar mais uma vez a insulina? – ele suplicava para mim a todo instante para eu aumentar a dose de suam medicação, a dor era intensa em seu fígado algo que fora corroendo passo a passo. 
- Sim, meu amor. 
- Obrigado. – concluiu.
Sabia que suas horas estavam contadas, logo ele não estaria mais ali, eu com 17 anos não tinha a mera consciência de como eu iria lidar com tudo aquilo. Estava em sua casa, seus pais eram educados e nunca me criticavam. Justamente nesse dia em que vi uma única só vez sua mãe chorar, era a dor pela perda de um filho.
- Estou com você até o fim, está bem, Michael? Minha vida. Minha transformação. – seu corpo despojado na cama, era assustador para mim, magro e lívido, com o cabelo raso, praticamente calvo. 
- Eu te amo, Melanie. Obrigado por ensinar verdadeiramente o que é amar, somos diferentes de raça, mas isso não impede de nos amar, pelo contrário, para mim representa uma superação, algo que só quem ama sente e entende. – ele pegou em minha mão e a beijei.
Fiquei em silêncio e não pude conter as lágrimas que começaram a rolar em minha face, tão emocionante, lindo e perfeito. 
- Apesar de você ter rido de mim no terceiro dia em que se conhecemos, de eu estar escrevendo de rosa, ainda acho rosa mais bonito do que azul, não me leve a mal. 
- Jamais pense uma coisa dessas, eu era uma boba. – eu sorri.
- Admito que eu era um bobo também. Dois bobos. 
- Bobos apaixonados. – falei e deu um beijo em seus gélidos que estavam.
Me dei conta depois de alguns segundos, que ele já partira tão rápido como um suspiro, tinha dado o último beijo e foi mais romântico do que o previsto. 
❥❥❥❥❥❥❥❥❥❥❥


Essa é a minha pequena história. Geralmente quando leio e releio ela, me deixam cada vez mais perto de Michael. É difícil até de dizer o nome dele, pois, sei que ele não está mais aqui presente e tento a cada amanhecer compreender que ele se partiu. A dor se faz ainda presente em mim, como uma navalha fincando em meu peito. A palavra, o adjetivo e o verbo, me satisfazem na hora mais precisas e sabe o que eu faço quando meu coração se aperta? Fica apenas eu e o meu velho diário, já sou grande o bastante para imaginar coisas são inocentes ainda, mas é que, o meu ser, a minha natureza ensinou-me a ser assim, a enxergar o contrário das coisas, que o mal tem o seu lado bom, que as diferenças é as que se completam, que a distância não separa dois corações que se ligam intensamente, que a amizade é o fruto de um novo amor, que um abraço é a forma mais gentil de dizer para o outro que se importa com ele e que o desejo de amar é totalmente livre para aqueles que acreditam, mesmo que existam casais de todas as raças, gêneros e pensamentos, afinal, nem todo mundo é igual, concorda? Para você que está lendo, pense um pouco em seu futuro, não é porque,eu,uma negra, estou dando um sermão aqui, é que as atitudes e o esforço vêm do nosso interior, basta você segui-las que serão conquistadas. Acredite. Ame.

Obrigado por mais um dia, meu doce e querido “Diário.”

12 de Dezembro de 2013

Xero!!!

2 comentários

  1. Adorei. Estou sem palavras. Muito bom mesmo.

    Abraços,
    Igor Gouveia
    http://www.diariodebordodeumleitor.com/
    (Espero seu comentário lá.)

    ResponderExcluir
  2. Que bom que gostou Igor...
    O Gabriel super agradece....:)

    ResponderExcluir

Bem vindo ao blog Minhas Escrituras...
Fique a vontade para comentar aqui a sua opinião pessoal, sempre com respeito é claro!!! ;)
Você pode deixar o link de seu blog, que faço a retribuição com o maior prazer, mas não retribuo em postagens de promoção, ou seja, não comento.
Mensagem pra pedir que siga o blog, são automaticamente deletadas. Comenta no blog e deixa o link,farei uma visita no seu ok.
Quero agradecer a vocês que passam por aqui e deixam suas marquinhas, isso é muito importante... sintam-se a vontade...
Xero!