Contos #8 - Gabriele Souza - In The Fantasy

Olá Pessoas...
Que saudades eu estava do blog e vocês... 
Em primeiro lugar quero pedir desculpas pela minha ausência... a semana passada foi uma correria só devido o casamento de meu irmão e eu fui madrinha. E depois fiquei doente, uma mistura de sinusite com gripe e faringite, cai bonito de cama. Então por esse motivo fiquei fora por alguns dias.Quero agradecer a todos que passaram por aqui e aqueles que deixaram seus comentários...
Durante essa semana vou colocar as minhas visita no cantinho de cada um em dia e responder as tags que recebi também ok.
Esse conto que eu estou postando está meio atrasado, porque era para ter postado na sexta, mas não consegui, então estou postando hoje. O tema foi fantasia e a Gabi ganhou a semana passada. Vamos lá???


Gabriele Souza
In The Fantasy

Debaixo da sombra de uma árvore, estava Meredith, pensativa. Sua vida não ia bem, sua mãe havia falecido, sua filha estava doente, seu marido havia divorciado, ela estava desempregada. Sem saber o que fazer, sentou-se naquele lugar e ficou refletindo sobre como tudo acabaria, mas ela estava cansada, seus olhos ESTAVAM pesados, e naquele mesmo lugar adormeceu.

Ao abrir seus olhos não estava embaixo daquela árvore, era um lugar diferente, o céu estava rosado, havias flores de todas as cores, rosas, violetas, azuis e até mesmo multicores. Os pássaros cantavam com tamanha alegria, e seres pequeninos voavam por todos os lugares, por onde passavam eram seguidos um por laço brilhante que era da mesma cor que seus cabelos ou asas.

__Meredith? Que surpresa vê-lá aqui. Faz dezesseis anos que não vinha nos visitar, sentimos saudades. _Meredith avistou uma pequena criatura. 

Era uma pequena mulherzinha de cabelo cacheado, longo e roxo, seus olhos eram cinzas, seu corpo não tinha curvas, seu vestido era lilás e suas asas pareciam as de uma borboleta, misturava um tom de preto com violeta, ela calçava pequenas e delicadas petalas de jasmim.

__Quem é você? 

__Não se lembra mais das amigas?

__Eu acho que não te conheço... Nos conhecemos? - Meredith não se lembrava daquele lugar.

__Sim, sou eu Lunna, uma pixie.

__Pixie? Vocês são tipos fadas em tamanhos menores?

__Não não, as fadas mantem o equilibrio da mãe natureza e cuidam para que todos sejam felizes, nós pixies cuidamos para que a realidade e a imaginação estejam em perfeito equilibrio.

__Vocês não são reais, ou são? Estão somente em minha mente não é?

__Somos do jeito que você acredita que somos, estamos aonde acreditar.

Meredith ficou perplexa com a imagem que via a sua frente, uma donzela alta de longos cabelos cor-de-mel, lisos, com um vestido verde e asas brancas, lembravam um anjo.

__Oh céus! Por que não me disseram que Meredith havia voltado? 

__Desculpe majestade, ela não se lembra de nós. -Respondeu Lunna cabisbaixa.

__Já disse para não me chamar de majestade Lunna, chame-me de Reeh. -Ela disse, e seguiu de um sorriso.

Meredith a olhou dos pés a cabeça, e viu que ao contrário das pixies "Reeh" andava sem nenhum calçado. E estava acompanhada de um únicornio branco, com crinas douradas e o chifre levemente amarelado.

__Ora, não se lembra da gente Meredith? -Reeh indagou olhando para Meredith.

__Não, sinto muito. 

__Venha acompanhe-me, vou mostrar-lhe o mundo, quem sabe as lembranças não voltem?

Reeh, pegoua s mãos de Meredith e a puxou até o unicornio onde Meredith se sentou. Reeh deu o sinal para que o únicornio voasse e assim que ele bateu vôo, ela também partiu.

Aquele lugar era realmente fantástico, havia uma cachoeira principal de onde nascia todos rios, suas águas eram cristalinas, na floresta havia todo tipo de árvoere, e as folhas tinham um brilho especial, tinha pixies e outros seres mágicos espalhados. Duendes, fadas, pixies, gnomos, havia de tudo um pouco.Então o únicornio parou perto de um dos rios, embaixo de uma árvore muito parecida com a que Meredith havia adormecido no quintal de sua casa.

Ela sentou ali embaixo, e ficou olhando para aquele lugar, Meredith tinha 21 anos, e pouco se lembrava de sua primeira visita aquele lugar, quando ela havia somente cinco anos, tudo a fascinava e a encatava, ela falava com todos, hoje ela já nem acreditava que aquilo era real.

__Meredith? -Reeh indagou olhando para meredith que estava cabisbaixa.

__Oi? -Ela levantou a cabeça, e olhou para Reeh, com uma expressão de quem não acreditava em nada.

__Você não acredita mais em nós, né?

__Acho que não, isto é só coisa de minha mente.

__Mas nós podemos ser real se você acreditar.

__Será? -Meredith alçou o olhar para o Pôr-Lunar, sim, lá não havia por do sol, quando anoitecia, o céu ficava arco-íris, e se via somente as estrelas.

Ela pensava que como a lua tinha suas fases, a vida também tinha as delas, para uma criança tudo aquilo era um mundo fantástico, para adolescentes era algo bobo, para adultos como ela, era coisa de cinema e para idosos era lembranças da infância. 

E Com este pensamento ela despertou do sonho, e não pode usufruir de uma bela lembrança criaada pelo seu subconciente, se era real ou não só basta acreditar. Como Dumbledore disse a Harry, só porque está em sua mente não significa que não seja real.



Xero!!!!

2 comentários

  1. Adorei o post! E claro que todos entenderão a ausência, tem semana que é loucura total!
    Importante é que vc voltou com tudo!

    Abraços...

    www.universodosleitores.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Bem vindo ao blog Minhas Escrituras...
Fique a vontade para comentar aqui a sua opinião pessoal, sempre com respeito é claro!!! ;)
Você pode deixar o link de seu blog, que faço a retribuição com o maior prazer, mas não retribuo em postagens de promoção, ou seja, não comento.
Mensagem pra pedir que siga o blog, são automaticamente deletadas. Comenta no blog e deixa o link,farei uma visita no seu ok.
Quero agradecer a vocês que passam por aqui e deixam suas marquinhas, isso é muito importante... sintam-se a vontade...
Xero!